Archive janeiro 2014

Krokodil: nova droga que transforma os usuários em “mortos vivos”

 

     Originada na Rússia, a droga conhecida como Krokodil (possivelmente pelo efeito no corpo, que se assemelha às escamas de um crocodilo), tem se tornado motivo de preocupação pelas autoridades de muitos países. O grande estardalhaço na mídia e na internet se deve aos efeitos da droga em seus locais de aplicação. Mortos vivos. Zumbis. Pacientes apodrecendo vivos. A droga do apocalipse. As fotografias apareceram na web em 2010. De fato, as imagens são chocantes.

Ler mais

ECG Módulo 4

ECG Módulo 4

               

No módulo de hoje continuaremos nosso estudo do ECG normal. Aprenderemos a extrair das dimensões da onda P importantes informações quanto ao estado dos átrios, assim como analisar o intervalo P-R e a função do nodo AV. Por fim, falaremos um pouco sobre o complexo QRS normal e o fenômeno de transição elétrica.
A seguir, os laudos dos exercícios do módulo anterior:

Laudos

1) Ritmo sinusalFC x bpm
Eixo a + 40⁰
ECG normal
2) Ritmo sinusalFC x bpm
Eixo a + 90⁰
ECG normal
3) Ritmo sinusalFC x bpm
Eixo a + 30⁰
ECG normal
4) Ritmo sinusalFC x bpm
Eixo a + 50⁰
ECG normal

 

Revisando o que já aprendemos: (1) identificar o ritmo cardíaco normal; (2) obter a FC; e (3) localizar o eixo elétrico do coração.

Continuando nossa interpretação do ECG, devemos observar a onda P na derivação II, onde será melhor visualizada e medida; é a onda que representa para nós a contração atrial, de modo que nos fornecerá importantes informações sobre estas câmaras cardíacas. Atente-se para suas dimensões: uma onda P normal deverá ter (1) uma amplitude (altura) de até 2,5 mm e (2) uma largura de até 0,10 segundos (2,5 mm).

 

                             Se uma altura maior – significa sobrecarga de átrio direito;
              Se uma largura maior – significa sobrecarga de átrio esquerdo.
 

 

Em seguida, identifique e meça o intervalo P-R. Seu valor de referência será entre 0,12 e 0,20 segundos (entre 3 e 5 quadradinhos). Um intervalo P-R diminuído significa pré-excitação; enquanto um intervalo aumentado, um bloqueio atrioventricular (BAV).

 

O próximo passo é o estudo do complexo QRS. Observe que este traçado tende a possuir grandes amplitudes e pequenas larguras; isso ocorre devido à maior massa muscular dos ventrículos e à presença de um sistema altamente especializado para a condução do impulso, respectivamente. Neste momento, devemos desviar nossa atenção para as derivações precordiais, com o intuito de observar o fenômeno de transição elétrica.

 

As Derivações Precordiais

                Os seis eletrodos positivos, que criam as derivações precordiais (ou torácicas) de V1 a V6, são dispostos no tórax de modo a definir um plano horizontal, visualizando as forças elétricas se movendo anteriormente e posteriormente.

                                               
 

                Observe como cada uma das derivações precordiais tem seu ponto de vista único sobre o coração. As derivações V1 e V2 ficam diretamente sobre o ventrículo direito, V3 e V4 sobre o septo interventricular e V5 e V6 sobre o ventrículo esquerdo.

 

O fenômeno de transição elétrica consiste no crescimento gradual da onda R nas derivações precordiais (V1 a V6). Deve ser compreendido como o aparecimento do ventrículo esquerdo no traçado destas derivações; uma vez que é a câmara de maior massa, seu vetor de despolarização será maior, por isso o crescimento da onda R.

 

Desse modo, chegamos às características de um complexo QRS normal:

(1) deve ser estreito (até 0,10 segundos);

(2) R cresce de V1 a V6;

(3) V1 e V6 com traçados característicos: V1 como rS e V6 como qR.

                                                        

                                 rS                                             qR

 

Nomenclatura do QRS                – Toda onda positiva é denominada “R ou r”;
                – Um onda negativa, quando a primeira do complexo, é denominada “Q ou q”;
                – Qualquer onda negativa, que não a primeira, é denominada “S ou s”;
                – Se letra maiúscula ou minúscula, dependerá da amplitude da onda.

 

Exercícios

Mais alguns exercícios para praticarmos nossos laudos eletrocardiográficos! Lembre-se de anotá-los para conferirmos no próximo módulo.

Espero que estejam gostando do curso! Qualquer dúvida, entre em contato conosco, será um prazer ajudar. Sugestões e comentários também são sempre bem vindos. Obrigado e até a próxima semana!

 

1)

2)

3)

 

4)

Raiva

A raiva é uma doença infecciosa aguda causada por vírus transmitida pela saliva de animais infectados. Nos países desenvolvidos, em que há um bom controle vacinal de animais domésticos, os principais vetores da doença são os animais silvestres como morcegos e guaxinins, enquanto nos países pobres a raiva é em geral um endemia de mamíferos domésticos, principalmente cães e gatos “vira-latas”.

 

Ler mais

Dúvida na Escolha da Especialidade

Pergunta : Vinicius ( Universidade Estácio de Sá – RJ )

Olá !  estou inclinado a ir para Cardiologia, mas tenho um certo receio em relação ao mercado de trabalho.  Já li publicações do próprio site dizendo da clínica na cardiologia e dos plantões, mas fico um pouco inseguro em relação ao estresse e a remuneração, principalmente por nao ter muito valor a ser agregado em exames. Vale a pena financeiramente seguir essa carreira? A clientela acaba por ser conquistada no dia a dia do médico nos plantões e hospitais? Também pensei em Urologia, mas ainda é meio incerto. Obrigado

Ler mais

Sepse

Sepse é uma síndrome grave e muito comum nas UTIs, principalmente nos pacientes submetidos a ventilação mecânica por períodos longos ou que são frequentemente puncionados por coletas de sangue e acessos vasculares. Um paciente séptico é aquele que apresentar, ao mesmo tempo, um foco infeccioso e a síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS). Se você não sabe o que é SIRS ou quer saber mais sobre o assunto, leia este artigo!

Ler mais

Como passar no USMLE step 2 CS

Pergunta (Dani):

Oi Vitor, tudo bem?

Estou estudando pro step2 clinical skills e queria saber se vc pode partilhar comigo a tua experiência…

-Em quanto tempo vc se preparou e por onde estudou?

-Vc treinou com alguém fingindo ser o paciente?

-Como é o teu inglês?  Vc sentiu dificuldade pra conversar com os pacientes?

 -Achou o teste difícil?

Ler mais

Cirurgia Plástica e o Mercado

Pergunta : Paulo Bernini ( Faculdade de Medicina de Barbacena )

Eu gostaria de me especializar em cirurgia plástica.Lendo o site ( parabéns por ele) vi que o senhor fala em uma habilidade artística. Seria possível uma pessoa “normal” ser um bom profissional ?

E uma cidade de médio porte (200 mil habitantes) possui um bom mercado para um cirurgião plástico?

Acredita em um mercado próspero no futuro ? Ou algo que tende a uma saturação?

Ler mais

Neurologia Pode Ser Boa Escolha

Pergunta : Tiago ( PUC Paraná )

Pretendo fazer neurologia mas tenho bastante receio do mercado de trabalho. Sempre ouço falar que os convênios pagam mal ( Unimed em Curitiba paga cerca de 43 reais líquido por consulta ) e que como a neurologia exige consultas mais demoradas você não consegue ganhar “no volume” ( como fazem na cardio, dermato e oftalmo ). Além disso a neurologia possui poucos métodos complementares que possam agregar valor a consulta.

Ler mais