fevereiro 2014 – Página: 3 – Widoctor

Archive fevereiro 2014

Sonolência excessiva

Sonolência é definida como uma probabilidade aumentada para dormir.

Já a sonolência excessiva (SE), é uma propensão aumentada ao sono com compulsão subjetiva para dormir, tirar cochilos involuntários, quando o sono é inapropriado.

As principais causas de SE são:

Ler mais

Quanto tempo preciso estudar para os steps?

 Pergunta (Samuel) 1 de 2:

 Olá Vitor, mais uma vez eu estou vindo até você para falar sobre ser médico nos EUA.

 Primeiramente eu quero te agradecer e parabenizar pelo seu site!! O WiDoctor é uma ferramenta realmente muito útil… não só pra mim e pra quem quer sair do Brasil, mas pra ler sobre assuntos médicos diversos!! Inclusive, gostaria de parabenizar também pelo novo curso de ECG que vai ser de grande ajuda para mim também!!

 Agora que as informações estão bastante claras pra mim, eu cheguei no momento que eu vou iniciar todo o meu processo de revalidação do diploma. E com isso, surgiram algumas dúvidas que eu gostaria de te perguntar:

Ler mais

Angústia para Escolher Especialidade

Pergunta : Anônimo ( Rio de Janeiro )

Me formo esse ano e não faço ideia do que quero fazer de residência, prezo qualidade de vida e remuneração porém entrei na faculdade apenas para ser médica e não médica de algo específico. Nesse pensamento faria clínica médica, porém para fazer o que depois? Nada me enche os olhos por completo. Poderia escolher dermatologia e otorrino pelas qualidades, mas temo não exercer a medicina para qual entrei na faculdade e me sentir médica de verdade. Aguardo resposta ansiosamente.

Ler mais

ECG Módulo 5

ECG Módulo 5

A seguir, os laudos dos exercícios do módulo anterior:

Laudos

1) Ritmo sinusal
FC x bpm
Eixo a 0⁰
ECG normal
2) Ritmo sinusal
FC x bpm
Eixo a + 30⁰
ECG normal
3) Ritmo sinusal
FC x bpm
Eixo a + 60⁰
ECG normal
4) Ritmo sinusal
FC x bpm
Eixo a + 60⁰
ECG normal

    

No módulo de hoje, encerramos nosso estudo do ECG normal com a interpretação do complexo de recuperação ventricular, composto pelo ponto J, pelo segmento S-T e pela onda T. Observe:

 

                               

O complexo de recuperação ventricular é o momento mais vulnerável do ciclo cardíaco, uma vez que representa o processo de repolarização dos ventrículos; uma extrassístole, por exemplo, que coincida neste momento poderá acarretar em graves arritmias.

Importante: um ponto J e um segmento S-T normais devem permanecer na linha de base do ECG. Desnivelamentos podem indicar condições sérias e potencialmente fatais, como o infarto. A tabela abaixo traz algumas importantes causas de desnivelamentos.

 

Supra S-T

Infra S-T

IAM

Pericardite

Homem jovem (variante do normal)

Bloqueios de ramo

Síndrome de Brugada

Angina (isquemia miocárdica)

Sobrecarga sistólica

Intoxicação digitálica

Nos traçados abaixo alguns exemplos:

 

Observe os supra-desnivelamentos na parede inferior (DII, DIII e aVF) e na parede apical (V5 e V6). Não se preocupe, estamos apenas tendo uma ideia geral do traçado. As síndromes coronarianas agudas, possivelmente a parte mais importante do curso, serão abordadas com detalhes posteriormente.

 

Neste exemplo, um caso de intoxicação digitálica, com sua alteração típica de infra-desnivelamento “em colher de pedreiro”, como podemos notar claramente em V2, V3, V4, V5 e V6. Os sintomas da intoxicação digitálica são anorexia, náuseas, vômitos, distúrbios visuais, confusão mental.

 

A onda T representa a repolarização ventricular e deverá ser sempre positiva nas derivações precordiais, com exceção de V1, que pode apresentar onda T negativa (é uma derivação indecisa). Nas derivações do plano frontal, a onda T é “obediente” ao complexo QRS, de modo que, se positivo, a onda T também será positiva; se o QRS for negativo, onda T se apresentará negativa. Outra característica da onda T normal é sua assimetria, com ramo ascendente lento e descendente com maior inclinação.

 

Durante nossa interpretação do ECG, devemos observar os complexos de recuperação ventricular de acordo com as paredes do coração. Já conhecemos as derivações das paredes inferior e lateral alta; agora aprenderemos as demais (atenção: alguns autores realizam divisões um pouco diferentes).

 

Paredes do Coração
                – Parede inferior: DII, DIII e aVF
                – Parede lateral alta: DI e aVR
                – Parede anterosseptal: V1, V2, V3 e V4  ——–   Parede anterior
                – Parede apical: V4, V5 e V6   ————————    Parede anterior

 

Alterações na onda T como ondas invertidas ou ondas apiculadas e simétricas podem sugerir isquemia miocárdica, tratando-se de um “distúrbio primário da repolarização ventricular” (é esta expressão que devemos utilizar em nossos laudos). Entretanto, muitas doenças crônicas, como hipertensão arterial, bloqueios de ramo, uso de medicamentos, DPOC e outros podem também cursar com alterações eletrocardiográficas na onda T, sendo, neste caso, um “distúrbio secundário da repolarização ventricular”. Nesses casos, geralmente, se possível obter exames antigos, iremos perceber a evolução crônica da alteração. Mas como diferenciar um infarto agudo do miocárdio com um distúrbio secundário? Devemos nos lembrar da soberania da clínica. Um diagnóstico de IAM não se faz através de um laudo de ECG, mas através de um conjunto de informações obtidas por adequada história e exame físico.

               

No exemplo abaixo, um paciente que apresenta um quadro de precordialgia. Observe as alterações na onda T em toda a parede anterior (derivações precordiais) e também na parede inferior (DII, DIII e aVF). Em nosso laudo, utilizaríamos a expressão: distúrbios primários da repolarização ventricular nas paredes anterior e inferior.

 

 

Exercícios

 1)

 

 

2)

 

 

3)

 

 

4)

 

Tecnólogo em Radiologia : Ameaça de Mercado

Pergunta : Bruno Maciel ( Faculdade de Medicina de Petrópolis )

Dr. Mário, li muitas de suas respostas em relação a Radiologia e diag por imagem. Porém tenho um grande receio.Em relação aos técnicos de radiologia, Você acha que por ser um custo mais barato estão ou poderão influenciar na diminuição do mercado e remuneração do médico radiologista? Já possuem espaço nos exames como TC, Rx, RNM etc agora soube que tramita um projeto  Projeto de Lei nº 3661/2012 que lhes dão direito de realizar o USG. Qual a opinião do sr. em relação a isso? É uma ameaça à especialidade?

Ler mais