CREMESP: reivindicação de maiores investimentos na saúde

CREMESP: reivindicação de maiores investimentos na saúde

CREMESP: reivindicação de maiores investimentos na saúde

No início de agosto desse ano, as lideranças médicas do CREMESP fizeram uma manifestação na Avenida Paulista para reivindicar maires investimentos na área da saúde pelo Ministério da Saúde e também a saída do Ministro Ricardo Barros.
O constante fechamento de leitos públicos, o gerenciamento ineficiente das finanças da área da saúde, o congelamento de verbas para a área e a falta de investimentos foram os maiores motivos que levaram à manifestação. Além disso, a última declaração do ministro sobre “médicos que fingem que trabalham” voltou ao foco ao longo da reivindicação.
Foi destacado por parte das lideranças do movimento que o mesmo é apartidário e que seu intuito é de que os profissionais da saúde e os políticos se unam para melhorar a qualidade da saúde pública.
Paralelamente à manifestação, o CREMESP acionou a justiça por conta de improbidade administrativa contra o Ministério da Saúde. Tal fato decorre de uma reprovação ao Relatório Anual de Gestão de 2016 apresentado pelo Ministério – que não aplicou a quantidade mínima constitucional de investimentos em serviços e em ações de saúde pública. Houve, ainda, questionamento sobre a abertura de outros novos cursos de medicina privados – sendo seis no próprio estado de São Paulo – sem que fosse proposto um modelo de rígida fiscalização da qualidade do ensino oferecido pelas novas instituições e da garantia de uma boa formação dos futuros profissionais.
Fonte: Revista do CREMESP

Rafael Kader

Aluno da Faculdade Nacional de Medicina - UFRJ; Presidente da Liga Acadêmica de Anestesiologia - LANES UFRJ; Presidente da Associação Interligas Acadêmicas de Anestesiologia do Estado do Rio de Janeiro - AILADERJ.

Você deve estar logado para postar um comentário