Archive janeiro 2018

Residência e Pós Graduação : Diferenças

Residência e Pós Graduação : Diferenças

Pergunta : Camila ( Universidade de Itaúna )
Bom dia.
Minha pergunta é um pouco diferente do usual, pois não tenho dúvidas sobre qual especialidade escolher e sim sobre Residência, Especialização e Pós. Se possível uma síntese sobre elas.
Considerando uma especialização reconhecida pelo Conselho desta, qual a diferença para uma residência do MEC? Residência pelo MEC você já sai com titulo de classe e a Especialização por conselho da especialidade Não ? Residência do MEC não precisa fazer prova de título.
Resposta : Existem dois tipos de Pós Graduação :

  1. Pós Graduação – stricto senso – São Mestrado e Doutorado
  2. Pós Graduação – Lato senso – São Residência e Especialização.

A Especialização é na prática, simplesmente chamada de Pós Graduação.
As residências para ter valor devem ser credenciadas pelo MEC e fornece ao aluno uma bolsa de estudos de aproximadamente R$ 3.000,00 mensais.
Ao término da residência o aluno pode se intitular “especialista “na área e pode se cadastrar no Conselho Regional de Medicina do seu Estado como especialista. Essa titulação serve para concursos públicos da especialidade.
Paralelamente a isso, existem os chamados “ Títulos de Especialistas” fornecidos pelas Sociedades Científicas da Especialidade, em convênio com a Associação Médica Brasileira ( AMB ).
Para esses títulos é exigida um prova, que só pode ser feita depois de terminada a residência médica ou algum curso de Especialização ( aí as regras são ditadas por cada sociedade de especialidade ).
Muitos planos de saúde exigem esse título para credenciar os médicos, por isso é interessante se obter essa titulação, independente do título da residência médica.
Os cursos de Especialização, chamados de Pós, começaram a ser criados para atender a demanda que não era conseguida pelas vagas de residência. São cursos com carga horaria menor ( em alguns casos semelhantes ) do que a residência médica; o aluno não recebe nenhuma bolsa e de um modo geral tem que pagar uma mensalidade.
Quando esses cursos são oficialmente credenciados pelo MEC, ao término do curso, o ano pode prestar prova para conseguir o título de especialista fornecido pelas sociedades científicas da especialidade, quando então ele estará, do ponto de vista de titulação, equiparado ao residente que também prestou essa prova.
Na prática, embora existam exceções de cursos de Pós de alta qualidade, os cursos de Especialização fornecem formação médica inferior à formação oferecida pelos programas de residência médica .
Sucesso
Mário Novais

Gastro ou Cirurgia Gastroenterológica

Gastro ou Cirurgia Gastroenterológica

Pergunta : Natália ( Universidade Anhamguera-UNIDERP )
Me chamo Natália, estou no 5 ano do curso de medicina na Universidade Uniderp, em Campo Grande, MS.
Estou pensando em qual área pretendo atuar quando terminar o curso e sei que gosto muito do aparelho digestivo. Tenho minhas dúvidas sobre gastroenterologia clínica ou ir para a cirurgia como cirurgiã do aparelho digestivo. Penso muito sobre qualidade de vida e quero escolher algo que eu possa ter uma boa qualidade de vida e uma boa renda. Eu gostaria de saber se caso escolhesse cirurgia, ainda teria uma qualidade de vida tão boa quanto a de clínica, visto que cirurgia demanda horas no centro cirúrgico. Gosto muito da parte clínica e dos exames como endoscopia e colonoscopia. Acredito que seria feliz em qualquer uma das duas, mas quero poder ter tranquilidade na minha jornada.
Muito obrigada pela atenção!
Achei muito legal a iniciativa.
Resposta:
Se você pretende priorizar a qualidade de vida, com certeza a gastroenterologia será um opção melhor do que a cirurgia gastroenterológica.
Na gastro vc vai poder fazer vários procedimentos como endoscopias altas e baixas, PHmetrias, biópsias hepáticas…
Mais algumas informações podem te ajudar na escolha :
Gastroenterologia ( incluindo a endoscopia digestiva ) é uma especialidade clínica com residencia de 2 anos de duração e com pré requisito de 2 anos de residência em clinica médica.
Cirurgia gastroenterológica é uma especialidade cirúrgica com residência de 2 anos também e com pré requisito de 2 anos de residência em cirurgia geral.
Portanto a formação dessas duas especialidades é diferente. O tipo de paciente e o dia a dia desses profissionais também é diferente.
O cirurgião de aparelho digestivo até pode atender pacientes de gastroenterologia clínica, mas não é aconselhável porque, além de ser uma outra especialidade, o cirurgião gastroenterológico vai depender de indicações de outros gastroenterologistas, que não vão gostar d encaminhar pacientes para quem compete com eles.
Mais alguns detalhes dessas especialidades podem te ajudar na escolha :
A caracterização da Cirurgia Gastroenterológica como sub especialidade da cirurgia geral é relativamente recente e ainda não muito bem aceita por todos os cirurgiões.
A rigor todas as cirurgias que envolvem o aparelho digestivo podem se encaixar dentro dessa especialidade, desde cirurgias de esôfago até cirurgias de reto, mas a expressão maior, principalmente no momento, fica com a cirurgia bariátrica para pacientes portadores de obesidade.
Como a obesidade é hoje considerada uma das doenças de maior crescimento no mundo todo, a indicação da cirurgia bariátrica, nas suas diferentes modalidades, tem sido cada vez maior e consequentemente tornando esse mercado promissor.
No entanto, sabemos que as indicações dessas cirurgias ainda são um pouco discutidas e não sabemos exatamente como vai ficar isso daqui a alguns anos.
Essa cirurgias, na verdade, representam mais do que o simples ato cirúrgico, porque envolvem toda uma equipe multiprofissional e o paciente obeso mórbido necessita de um preparo, principalmente psicológico, grande antes da cirurgia.
Além disso, nem todos os hospitais estão preparados para esse tipo de cirurgia, já que envolve peculiaridades como leitos especiais…
Resumindo: tratando-se da cirurgia bariátrica, podemos dizer que no momento é um bom mercado, mas não podemos prever daqui a 10 anos.
Em relação às outras cirurgias do aparelho digestivo, o problema é a competição com outros tipos de cirurgiões. Por exemplo: quem deve operar um Câncer de colo? Um cirurgião geral? Um Proctologista? Um cirurgião oncológico ou um cirurgião gastroenterológico.
Gastro é uma boa especialidade porque além de permitir boa qualidade de vida, é bastante rentável pela grande incidência de exames complementares e vários procedimentos que agregam valor ao preço da consulta, tais como endoscopias digestivas altas, colonoscopias, CPRE, gastrostomias endoscópicas…, além de grande freqüência na população de patologias dessa especialidade, como gastrites, úlceras, esofagites, diarréias, colites…
Sucesso
Mário Novais

Fellow em Oftalmologia

Fellow em Oftalmologia

Pergunta : Magno (Instituto de Oftalmologia de Maceió )
Boa tarde, dr.! Sou R3 de oftalmologia e pretendo trabalhar em uma cidade no interior de SP, com cerca de 100 mil habitantes. Considerando isso, gostaria de saber se seria mais recomendado que eu me especializasse (fellow) em catarata ou em retina? São as duas áreas que tenho mais interesse dentro da oftalmo.
Obrigado e parabéns pelo site!
Resposta :
O ideal era que fizesse o fellow em um grande centro e São Paulo seria o melhor local ( Unifesp, Usp, IPEPO )
Se não faz diferença para vc em termos de tipos de patologias com as quais vai lidar, com certeza o fellow de catarata será mais útil.
Porém se vc pretende ir para uma cidade onde não haja especialista em retina ( e aí vc deveria procurar os oftalmos da cidade e aproximar esse contato ) o fellow de retina também poderia ser interessante.
Sucesso
Mário Novais

Cirurgia Vascular, Cardiovascular e Hemodinâmica

Cirurgia Vascular, Cardiovascular e Hemodinâmica

Pergunta : Matheus ( Universidade Federal de Minas Gerais )
Um Cirurgião Cardiovascular pode atuar como Cardiologista em clinicas/hospital ?
Resposta :
A cirurgia vascular e a cirurgia cardiovascular são especialidades diferentes. Na vascular a formação exige 2 anos de cirurgia geral e mais 2 anos de vascular.
Na cirurgia cardiovascular são exigidos 2 anos de cirurgia geral mais 4 anos de cardiovascular.
A cirurgia vascular é ótima especialidade, a clientela cresce rapidamente, principalmente pelas insuficiências vasculares periféricas (varizes), que são muito freqüentes na população.
A especialidade permite procedimentos pequenos e médios , que agregam valor no preço das consultas e a qualidade de vida do profissional é boa porque a maioria das cirurgias são eletivas.
A competição dos hemodinamicistas ou cardiologistas intervencionistas é mais com a cirurgia cardiovascular e não com a cirurgia vascular.
Não acreditamos que as atribuições do cirurgião vascular possam diminuir ao longo do tempo.
Na cirurgia cardiovascular os ganhos financeiros são bons, mas se leva tempo para adquirir a maturidade profissional e o tempo de vida úti é tambem menor quando comparado com outras especialidades.
O mercado de trabalho é bom para cirurgia cardiovascular e melhor ainda para cirurgia vascular.
A formação em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista é longa. São necessários 2 anos de residência em clínica médica, depois 2 anos de residência em cardiologia e finalmente mais um ano (em poucos serviços ) ou dois anos de residência em hemodinâmica e cardiologia intervencionista. E depois prestar o exame para obtenção do titulo de especialista em hemodinâmica e cardiologia intervencionista pela SBHCI.
Uma vez cumprido todo esse percurso cientifico, não será difícil conseguir um emprego num serviço de hemodinâmica, principalmente porque durante o curso vc irá fazer muitos contatos na área.
Na maioria das vezes vc irá trabalhar em serviços já instalados na medicina privada com um salário mensal de R$ 8.000,00 a 10.000,00  por 24 h de trabalho semanal em regime de plantão. Esse salário pode variar muito de acordo com a cidade onde estará trabalhando.
Existe a possibilidade de prestar algum concurso para serviços públicos estaduais ou federais, onde o salário será ainda menor.
Na hemodinâmica a possibilidade de se criar um serviço próprio também existe, mas a aparelhagem é cara e há a necessidade de infraestrutura hospitalar e de se montar uma equipe multiprofissional ( cirurgião cardíaco, UTI, intensivistas, enfermagem especializada…).
Para complementar a renda e para não viver somente de plantões, para o hemodinamicista, uma possibilidade é esse especialista continuar atendendo cardiologia clínica em consultório.
O Mercado de trabalho para o cardiologista e mesmo para o hemidinamicista é bom e não vão faltar oportunidades nessas especialidades para vc conseguir uma boa remuneração.
Como cirurgião cardiovascular vc pode sim tratar pacientes com insuficiência vascular periférica ( varizes ), pois esse é um excelente mercado e a cirurgia cardíaca tem diminuído seu mercado de trabalho com o advento de técnicas menos invasivas.
Sucesso
Mário Novais

Otorrino ou Neurologia

Otorrino ou Neurologia

Pergunta : Matheus ( Universidade do Planalto Catarinense )
Bom dia.
Estou terminando a faculdade no momento e continuo com muita dúvida entre duas especialidades: Otorrino x Neurologia. As duas aparecem no topo do meu teste vocacional e gosto muito das duas. Otorrino tem muitos procedimentos e sempre ouço falar que tem uma boa remuneração. Contudo, a Neurologia me parece ser menos dependente de convênio e ter possibilidade maior de trabalhar em hospitais, além de ter um raciocínio clínico bem maior que na otorrino, o que me atrai mais. Minha dúvida é em qual das duas eu tenho chance de ter um salário / estabelecimento no mercado maior / mais rapidamente tendo em vista cidades de médio porte no Sul do país (o dia-a-dia e tipo de pacientes de ambas, embora bem diferentes, me agradam).
Resposta :
São duas boas especialidades, porém com dia a dia bem diferentes.
A otorrino é uma especialidade com bastante procedimentos e mesmo cirurgias, enquanto a neurologia é eminentemente clínica, embora o neurologista possa se aperfeiçoar em procedimentos invasivos como punção lombar, cateterismos para acidentes vasculares…
A longo prazo o otorrino tende a ter melhor remuneração se enveredar pelos exames complementares na sua clínica. Vai precisar de ajuda financeira para se estabelecer com todos os equipamentos.
O neurologista, principalmente pelo envelhecimento da população vai ter uma clientela maior mais rapidamente e poderá até não depender de convênios.
A otorrino apresenta maior resolutividade dos problemas dos pacientes e é uma especialidade menos triste que a neurologia, que lida com algumas doenças degenerativas de ruim evolução.
A vida útil profissional do otorrino ( principalmente pela parte cirúrgica ) é menor do que a do neurologista, que poderá estar clinicando mesmo quando já estiver mais idoso.
Realmente a neurologia exige um raciocínio clínico maior, porém como em todas as especialidades, depois de algum tempo, tudo fica mais monótono porque os diagnósticos se repetem.
A penetração no mercado ( em cada uma dessas especialidades ) vai depender muito da cidade onde se está, do circulo de relacionamentos que tiver, da concorrência local, do tamanho da cidade, do seu currículo, do marketing que fizer e acima de tudo dos seus resultados terapêuticos.
Sucesso
Mário Novais

Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Pergunta : Fernando ( Universidade federal de Minas Gerais )
Olá, gostaria de saber qual é remuneração proporcionada pela cirurgia de cabeça e pescoço, se é uma especialidade cirúrgica que vale a pena e se tem mercado de trabalho acessível. Também gostaria de saber as diferenças de ganho entre cidades grandes e cidades médias. Obrigado
Resposta :
De um modo geral, a especialidade cirurgia de cabeça e e pescoço está ligada aos departamentos de otorrinolaringologia.
A residência médica nessa área tem a duração de 2 anos com pré requisito de 2 anos de cirurgia geral.
A cirurgia de cabeça e pescoço é uma especialidade ímpar que exige dos cirurgiões que a praticam, sólidos conhecimentos em cirurgia geral, plástica reparadora, cirurgia oncológica e ortopédica. Além disso, o fato do câncer do trato aero-digestório superior representar um percentual significativo das doenças da cabeça e pescoço exige, do especialista nesta área, conhecimentos em oncologia clínica e radioterapia. O intercâmbio com os diferentes especialistas da área médica (em especial, neurocirurgia, otorrinolaringologia, cirurgia plástica, cirurgia do aparelho digestório, bucomaxilofacial, anestesiologia e terapia intensiva) é fundamental para a consecução de bons resultados. Também é de fundamental importância à inter-relação com outros profissionais, em especial a enfermagem, fonoaudiologia, psicologia, nutrição, fisioterapia, odontologia e prótese bucomaxilofacial.
Os programas de residência nessa especialidade consistem de participação nos ambulatórios específicos, onde além de aprenderem noções básicas sobre o exame otorrinolaringológico completo, principais afecções de cabeça e pescoço, propedêutica, diagnósticos, diagnósticos diferenciais e tratamentos propostos, discutem casos com os preceptores do dia, fazem procedimentos como biópsia, punção, drenagem de abscessos, troca de cânulas de traqueostomia, além de exames complementares como nasofibrolaringoscopia e laringoscopia direta.
Mais frequentemente nessa especialidade vc vai lidar com:
Oncologia cirúrgica de Cabeça e Pescoço. Tratamento de tumores benignos e malignos da glândula tireóide e das glândulas salivares. Sialoendoscopia. Tratamento de tumores congênitos de Cabeça e Pescoço. Tratamento de tumores de pele. Tratamento dos tumores de base de crânio. Cirurgia robótica de tumores de orofaringe
O Mercado é carente de bons profissionais, que precisam ter uma boa habilidade manual e como alguma cirurgias de cabeça e pescoço são também realizadas por neurocirurgiões, cirurgiões buco-maxilo e otorrinos, o profissional dessa área leva um tempo maior para se estabelecer na especialidade.
Cidades pequenas ou médias vão representar um mercado pequeno para essa especialidade. Talvez seja interessante se associar a um grupo de otorrinos e criar uma clínica de otorrino e cirurgia de cabeça e pescoço.
Sucesso
Mário Novais

Ortopedia ou Cirurgia Geral

Ortopedia ou Cirurgia Geral

Pergunta : Marcos (Unioeste – Cascável )
Boa tarde.
Gostaria de parabenizar a equipe pelo site e dizer que está sendo muito esclarecedor para minhas escolhas.
Eu estou no 5° ano e estou em dúvida entre Ortopedia e Cirurgia geral. Gostaria de saber como está o mercado para essas duas especialidades e também sobre a remuneração de ambas.
Resposta :
A escolha da especialidade deve ser a mais racional possivel, sendo de grande importância, já que implica em cerca de 40 anos de atividade profissional.
Devemos,acima de tudo, levar em consideração 3 aspectos :
1.a qualidade de vida que a especialidade proporciona.
2.a remuneração que esta especialidade permite.
3.O prazer e conforto de lidar com o tipo de paciente dessa especialidade.
Numa fase inicial, a escolha precisa apenas recair em :
1.Uma especialidade cirúrgica – aí vai ter que passar primeiro na cirurgia geral.
2.Uma especialidade clínica – aí vai precisar, primeiramente, passar pela residência de clínica médica.
3.Uma especialidade de acesso direto- aí precisa conhecer bem essas possibilidades, ou seja quais são as características de : otorrino, oftalmo, ortopedia, radiologia, dermatologia, pediatria, neurocirurgia…
Embora não tenhamos o papel de apontar especificamente uma especialidade, mas sim fornecer subsídios para uma escolha racional; no seu caso a ortopedia parece ser a melhor opção .
A ortopedia é uma das melhores especialidades do  momento: população envelhecendo ( o que aumenta o número de possíveis clientes ), população preocupada em aumentar atividades físicas ( boom das academias de ginástica com consequente maior frequência de lesões de esforço repetitivo ), grande frequência de pequenos procedimentos a nível ambulatorial assim como cirurgias pequenas, médias e grandes ( o que agrega valor ao preço da consulta ), indústria de órteses e próteses forte facilitando o trabalho do ortopedista e impulsionando a especialidade além de aumentar os ganhos financeiros, possibilidade de expandir os serviços com utilização da Medicina Desportiva ( Copa do Mundo e Olimpíada estimularam isso ) e da fisioterapia ( Pilates e RPG estão em franco crescimento ), incremento no País das atividades industriais e comerciais que levam a maiores vícios de postura ( as chamadas dores de coluna, que vão acabar no consultório do ortopedista ). Tudo isso faz com que a especialidade seja uma das mais bem remuneradas, perdendo um pouco apenas na qualidade de vida, o que pode ser minimizado se o médico conseguir se organizar bem e administrar adequadamente o tempo.
A Cirurgia Geral não é uma especialidade muito valorizada no Brasil, até porque a maioria dos médicos termina por se sub especializar depois da residência em cirurgia geral. O tempo de formação acaba sendo maior e a vida útil do profissional é menor ( a medida que ele vai envelhecendo, a clientela vai preferindo médicos mais jovens ), a remuneração do cirurgião geral é ruim porque a tabela dos convênios é muito baixa e a qualidade de vida é pior do que a do ortopedista.
Sucesso
Mário Novais

Ticket Médio : Oftalmologia e Otorrino

Ticket Médio : Oftalmologia e Otorrino

Pergunta : Marcelo ( UNICAMP )
Bom dia, dr.!
Gostaria de saber qual a especialidade com o melhor valor de consulta pago pelo plano da saúde: otorrino ou oftalmo? Considerando os procedimentos quase sempre são feitos na maioria das consultas. Por favor, se você souber esse valor, poderia nos dar uma ideia?
Agradeço muito pela ajuda!
Resposta :
As duas especialidades apresentam remuneração semelhante depois de algum tempo.
A diferença será no tipo de paciente e tipos de patologias.
Os valores também podem variar de acordo com os planos de saúde, que podem pagar diferentemente de acordo com a cidade onde se está ou de acordo com o contrato que vc fizer em termos de CH ( coeficiente de honorários médicos ).
De um modo geral, para a maioria dos planos de saúde, o chamado ticket-médio ( faturamento total dividido pelo número de consultas ) para ambas as especialidades é de R$ 200,00, ou seja se vc atender 100 pacientes no consultório no mês, estará produzindo um valor de R$ 20.000,00.
Nesse valor não estão incluídas as cirurgias, apenas o atendimento ambulatorial acrescidos dos exames complementares.
Também influencia nesse valor, o fato de vc ter ou não os equipamentos necessários para os exames complementares.
Sucesso
Mário novais

A Oftalmologia e os Optometristas

A Oftalmologia e os Optometristas

Pergunta : Enrico ( Universidade de Belo Horsizonte )
Tudo bem, Dr. Mário? Agradeço pelas respostas valiosas nas decisões de muitos acadêmicos.
Considerando a possível invasão os optometristas, o senhor acredita que a oftalmologia ficará como daqui a alguns anos? Além disso, qual destas provavelmente têm melhores perspectivas: a oftalmologia ou a otorrinolaringologia?
Resposta :
Um receio dos oftalmologistas em relação à especialidade é a possível concorrência dos optometristas.
A optometria é uma profissão de nível superior aceita em mais de 100 países.
Até o momento as entidades de classe ( conselhos de medicina e sociedades de oftalmologia ) tem conseguido bloquear a legalização dessa atividade no Brasil, mas, com a justificativa de sermos um país continental com  dificuldade de oftalmologistas em muitas cidades, é grande o lobby para se regulamentar essa atividade. Se isso acontecer, realmente a oftalmologia vai ficar prejudicada e será necessária alguma campanha forte por parte das entidades de oftalmologistas para que os clientes procurem os oftalmos e não os optometristas.
Esses profissionais vão ter seu mercado de trabalho principalmente em óticas ou mesmo em clínicas de oftalmologia.
O maior risco para a população será o fato de doenças oftálmicas passarem desapercebidas por esses profissionais que vão focar sua atividade na prescrição de óculos ( isso é o que deve ser ressaltado nas campanhas das sociedades médicas ).
Se a profissão for regulamentada, a classe de oftalmo que será prejudicada será aquela que lida com clínicas oftalmológicas populares, que atendem pacientes sem plano de saúde.
Os pacientes portadores de planos de saúde, irão preferir ser atendidos por médicos do que por tecnólogos, desde que as sociedades de oftalmologia estejam frequentemente esclarecendo a população sobre a diferença entre os dois tipos de profissionais.
Desse modo, o mercado de trabalho para os oftalmologistas não sairá prejudicado.
O lado bom é que muitas clínicas de oftalmologia poderão contratar optometristas, aumentando sua capacidade de atendimento.
Na oftalmo, que é uma das melhores especialidades do momento e permite ótima qualidade de vida e ótima remuneração, vc vai lidar mais com pacientes clínicos, vai ter cirurgias relativamente simples ( alguns oftalmologistas não gostam de operar e encaminham os pacientes cirúrgicos para outros colegas ) e o melhor rendimento virá dos exames complementares.
Os vários exames característicos da oftalmo são de fácil aprendizado e exigem aparelhos que vc irá adquirindo aos poucos, alguns seminovos e outros financiados.
Na oftalmo vc vai lidar diariamente com prescrições de óculos, de lentes de contato, conjuntivites, olho seco, glaucomas, blefarites e  pterígios.
Algumas lesões de córnea, cataratas e mais raramente descolamentos de retina.
Como oftalmologista vc ainda pode ( mas não obrigatoriamente ) se sub especializar em segmento anterior, glaucoma, retina, estrabismo ou cirurgias refrativas..
Concluindo; a oftalmo é excelente escolha e com certeza vc não vai se arrepender dessa opção.
Principalmente pelo envelhecimento da população oftalmo e otorrino continuarão sendo ótimas especialidades.
Sucesso
Mário Novais

Anestesio ou Otorrino : Remuneração

Anestesio ou Otorrino : Remuneração

Pergunta : Jose Roberto (Universidade Federal do Maranhão )
Bom dia, dr.! Este é o melhor site que conheci para ter uma noção da carreira médica, obrigado por tudo!
Vi que as últimas perguntas estão bem relacionadas a uma das duas áreas que pretendo fazer e gostaria de tirar uma dúvida, por favor. Vou para o último período e decidi que farei anestesio ou otorrino, pois acompanhei as duas áreas e gostei muito do dia a dia (apesar de serem diferentes, gosto de estudar esses temas e me vejo feliz trabalhando para o resto da vida nessas áreas). Então conversei com alguns profissionais dessas áreas e o único ponto que não que fiquei um pouco sem graça de abordar é o da remuneração. Não vou escolher com base nisso, mas ajudaria ter uma ideia. Qual delas oferece melhor remuneração?
Resposta:
As duas especialidades apresentam ótima remuneração. Na anestesio a remuneração vem mais rapidamente. Como a especialidade independe de convênios com planos de saúde, pois o profissional cobra diretamente do paciente, o valor por cada procedimento ( cada anestesia ) é maior.
Na otorrino o grande número de exames complementares e os procedimentos cirúrgicos fazem a remuneração também ser muito boa.
As duas especialidades são de acesso direto à residência médica, assim o tempo de formação é menor do que em muitas especialidades que exigem pré requisito de clínica ou de cirurgia.
A carreira do anestesista “turbina “mais rápido, porém a qualidade de vida do anestesiologista é inferior à qualidade de vida do otorrino.
Procure analisar em que dia a dia você vai se sentir mais confortável.
Sucesso
Mário Novais