Câncer e Nobel de Medicina

Câncer e Nobel de Medicina

Nessa segunda-feira dia 01 de outubro de 2018 foi anunciado o resultado do prêmio Nobel de Medicina. O americano James Allison e o japonês Tasuku Honjo foram premiados por descobertas que levaram a avanços no tratamento do câncer. As informações são da agência de notícias Reuters. Em suas pesquisas, demonstraram variadas maneiras de inibir os freios do sistema imunológico no combate às células cancerígenas.

Descobertas no sistema imunológico

O primeiro dos cientistas, James Allison, de 70 anos, é professor no Cancer Center at The University of Texas. Sua linha de pesquisa aborda o funcionamento do sistema imunológico contra o câncer e como inibir uma proteína que segura as ações das células humanas humorais de defesa. Desse modo, o intuito seria um ataque maior dessas células de defesa do organismo aos tumores. A descoberta levou a tratamentos eficientes contra o câncer.

Honjo, por sua vez, que trabalha como professor na Kyoto University, no Japão, há 34 anos, descobriu outra proteína que, assim como a estudada por Alisson, atua interrompendo a ação das células do sistema imunológico e descreveu como ela opera — embora com ações diferentes. Terapias baseadas em seu método também promoveram mudanças efetivas no combate ao câncer.

Pesquisas como essas voltadas para tratamento de doenças crônicas, agressivas e de prognóstico ruim para os pacientes prometem impactar positivamente tanto a qualidade quanto a expectativa de vida de milhões de pessoas ao redor do mundo. A medicina, portanto, ainda é a primeira categoria dos prêmios Nobel anunciados a cada ano desde a criação pelo inventor da dinamite e empresário Alfred Nobel em 1901.

Fonte: www.r7.com.br

Rafael Kader

Aluno da Faculdade Nacional de Medicina - UFRJ; Presidente da Liga Acadêmica de Anestesiologia - LANES UFRJ; Presidente da Associação Interligas Acadêmicas de Anestesiologia do Estado do Rio de Janeiro - AILADERJ.

Os comentários estão fechados.