Os benefícios das atividades físicas para a saúde mental

Os benefícios das atividades físicas para a saúde mental

Os benefícios das atividades físicas para a saúde mental

Você já deve conhecer alguns dos inúmeros benefícios da atividade física para saúde, como o fortalecimento muscular, o aumento da capacidade cardiopulmonar e o bom funcionamento e desempenho dos órgãos, por exemplo. A psicóloga Maitê Hammoud escreveu este artigo para ampliar sua visão sobre os benefícios desse tipo de atividade para o nosso organismo.

No entanto, você sabia que as atividades físicas proporcionam também inúmeros benefícios para a saúde mental? Sabia que esses benefícios refletem diretamente na autoestima e ainda na qualidade de vida da pessoa, significando melhor disposição, concentração e desempenho profissional?

Para que você conheça um pouco mais sobre os benefícios das atividades físicas para a saúde mental, destacamos 7 pontos. Veja:

1) Diminuição do risco de doenças

A prática regular de atividades físicas proporciona a redução dos níveis dos hormônios estressantes, como a adrenalina, a noradrenalina e o cortisol. Isso significa o aumento da autoestima, a diminuição da insatisfação, da depressão e da ansiedade.

Além disso, libera a endorfina (conhecido como o hormônio da felicidade), que promove a sensação de bem-estar, euforia e alívio. Libera também a dopamina, uma espécie de tranquilizante e analgésico natural.

Tais alterações proporcionam uma sensação relaxante de longo prazo, a qual contribui significativamente para um estado de equilíbrio psicossocial e emocional mais estável para enfrentar situações estressantes do cotidiano.

2) Memória mais ativa

O aumento da capacidade aeróbica tem relação direta com a melhoria das funções cognitivas, contribuindo para a integridade do cérebro e do sistema cardiovascular, o que otimiza o tempo de reação e a amplitude da memória.

Estudos mostram que idosos que praticam atividades físicas, como caminhar 3 vezes por semana durante 1 hora, têm uma melhora significativa na atenção, na memória, na agilidade motora e no humor.

À medida que envelhecemos, crescem os riscos de contrair doenças degenerativas, como o mal de Alzheimer. Porém, ao praticar exercícios físicos, principalmente entre os 25 e 45 anos, conseguimos aumentar as substâncias químicas do cérebro que previnem a degeneração dos neurônios do hipocampo.

3) Dormir melhor

O exercício físico pode proporcionar a liberação de hormônios que influenciam no ciclo sono-vigília, o que significa dormir melhor. Isso faz com que a pessoa passe a ter mais disposição para o dia a dia, o que favorece também a estabilidade do humor.

4) Melhoria da autoestima

Se exercitar regularmente contribui com o alcance de metas, como a perda de peso e a tonificação dos músculos, o que favorece a construção e a otimização da autoestima. Além disso, uma melhor percepção de si mesmo, aliada à autoestima elevada, consequentemente ajuda na saúde emocional. Com isso, os relacionamentos também podem melhorar muito. Por conta da autoconfiança, você poderá se sentir mais à vontade para se aproximar das pessoas.

5) Envolvimento social

Exercícios físicos oferecem a oportunidade de envolvimento social, principalmente na fase adulta e terceira idade. Com a vida profissional e afetiva mais estáveis, conhecer novas pessoas, fazer novas amizades e manter vínculos prazerosos no cotidiano se tornam cada vez mais difíceis.

Desse modo, a prática esportiva auxilia no envolvimento social, seja através de novos vínculos na academia, seja por meio de grupo de pessoas com interesses em comum. Ainda pode servir para resgatar amizades para uma partida de futebol, uma corrida, ou também uma caminhada no bairro, por exemplo.

 

6) Desenvolvimento de habilidades emocionais

Assim como na vida cotidiana, no esporte também somos testados quanto aos nossos limites e capacidade de superação. Desenvolvemos a dedicação e a disciplina, e aprendemos a lidar com as derrotas e as vitórias. Saber trabalhar bem com os êxitos e com os fracassos é uma grande conquista.

7) Recuperação de dependentes químicos

Como dito antes, diante de estímulos prazerosos (como sexo, drogas ou alimentos), o cérebro libera como resposta a dopamina. Infelizmente, algumas pessoas se tornam dependentes de algumas substâncias que produzem a liberação de dopamina em grandes quantidades, como as drogas.

Sendo assim, os exercícios físicos podem ajudar na recuperação de dependentes. Isso porque, além da liberação da substância, também ajudam na ressocialização e criação de novos vínculos de amizade.

Sabemos o quanto é difícil ficar longe do estresse, das angústias, tristezas e ansiedades do dia a dia. Porém, os exercícios físicos podem se tornar um grande aliado para isso.

Ainda não existem pesquisas conclusivas e que demonstrem qual é a melhor atividade física. Por isso, é importante escolher a que seja mais prazerosa.Vale lembrar que a prática de 30 minutos, 3 vezes por semana, já oferece resultados a curto prazo.

Lembre-se ainda que não é necessário realizar um esporte específico ou fazer grandes investimentos. O mais importante é dar o primeiro passo e se exercitar. Na ausência de recursos financeiros, opte por caminhadas, academias ao ar livre, corridas, entre outros. Independente do peso, idade ou sexo, o fundamental é buscar ações que ajudem a aumentar a percepção positiva e a autovalorização, as quais trazem inúmeros benefícios para as saúdes física e mental.

 

TEXTO RETIRADO DO SITE: https://br.mundopsicologos.com/artigos/os-beneficios-das-atividades-fisicas-para-a-saude-mental

Walter Gonçalves

Os comentários estão fechados.