Grit, ou Garra: O Traço de Personalidade Marca das Pessoas de Sucesso

Grit, ou Garra: O Traço de Personalidade Marca das Pessoas de Sucesso

Grit, ou Garra: O Traço de Personalidade Marca das Pessoas de Sucesso

Você já pensou sobre o que faz as pessoas que se destacam em um certo campo – ou que possuem uma habilidade fora do comum – têm de diferente das outras? A psicóloga Angela Duckworth foi além do “pensar” e dedicou parte da sua carreira acadêmica a entender, de fato, o que as diferencia.

Parte das suas principais descobertas sobre o tema, ela detalha no livro Grit (em português, “Garra: o poder da paixão e da perseverança”), que leva o nome a característica-chave, segundo ela, para entender essas pessoas e seu sucesso.

“Não importa o domínio, os altamente bem sucedidos têm uma espécie de determinação feroz  (…) É essa combinação de paixão e perseverança que faz deles grandes realizadores. Em uma palavra, eles têm garra”, explica ela.

Esforço, e não talento, é o segredo

“Se enfatizarmos demais o talento, subestimamos todo o resto.”

Não que o talento seja um problema, é só que apontar ele como justificativa em toda ocasião em que alguém demonstrar enorme habilidade é simplificar demais. E, pior: ignorar o fato de que “a grandeza é factível” – ou seja, é completamente possível alcançá-la.

Existe um fator genético que influencia a existência – ou não – de traços de garra na personalidade. Mas isso é o que acontece com todos os traços psicológicos, e isso não é a única coisa que os afeta. De acordo com Duckworth, a experiência é muito importante. “A taxa com que desenvolvemos qualquer habilidade é também, crucialmente, uma função da experiência”, esclarece ela.

A mesma mentalidade que responsabiliza grandes habilidades ao talento – em consequência, torna impotentes os que não o têm – é também responsável, muitas vezes, por atribuir apenas a consequências externas o que dá errado. Conhecido como locus externo, na medida em que tira da mão de cada um a responsabilidade, também tira o poder de agir e de mudar.

 

4 aspectos que pavimentam o caminho

Tendo estudado a fundo o tema, Duckworth investigou também as razões que fazem as pessoas – os com “menos garra” – desistirem de seus objetivos. O que ela destaca sobre o assunto, de início, é que as justificativas clássicas “tenho preguiça”, “não tenho capacidade para persistir” nunca são a verdade. Em vez disso, o real motivo muitas vezes se parece com as alternativas seguintes:

  • “Estou entediado.”
  • “[Isso] não vale o esforço.”
  • “Isso não é importante para mim.”
  • “Não consigo fazer isso. É melhor, então, desistir.”

E é aqui que está a diferença em relação aos que têm alto nível de grit: eles não têm (mais) esse tipo de pensamento.

Ainda na tentativa de entender melhor como essas pessoas funcionam, a especialista mapeou quatro “ativos psicológicos” que têm em comum.

1 Interesse

Ou paixão pelo que fazem – o sentimento desencadeado quando se aprecia intrinsecamente a atividade.

2 Capacidade de praticar

“Uma forma de perseverança é a disciplina diária de tentar fazer as coisas melhor do que fizemos ontem”, escreve Duckworth em Grit.

3 Propósito

O que amadurece a paixão. É o sentir que seu trabalho realmente importa.

4 Esperança

Segundo a autora, a esperança é decisiva do começo ao fim do processo. Nesse caso, ela significa um constante esforço em continuar, mesmo quando as coisas estão difíceis ou há muitas dúvidas.

Quebrando a qualidade de garra nesses quatro pontos, ela mostra o quanto essa característica é passível de ser fomentada. Você pode descobrir, desenvolver e aprofundar seus interesses, treinar a disciplina para praticar, entender seu propósito e exercitar a persistência com base na esperança de alcançar.

Fonte:

Na Prática – Fundação Estudar

https://www.napratica.org.br/grit-garra-o-que-e/

Guilherme França

Os comentários estão fechados.