O potencial da telemedicina nas doenças digestivas – Widoctor

O potencial da telemedicina nas doenças digestivas

O potencial da telemedicina nas doenças digestivas

O potencial da telemedicina nas doenças digestivas

As abordagens digitais de saúde começaram a transformar a maneira como os pacientes e os profissionais de saúde interagem, ajudando os pacientes a assumir um papel mais ativo na gestão de suas doenças por meio de consultas remotas e monitoramento de doenças. Há evidências para o uso de telemedicina em muitas doenças crônicas, como insuficiência cardíaca e diabetes, entre outras; De fato, quase um quarto dos cardiologistas e 15% dos endocrinologistas relataram o uso da telemedicina para interagir com os pacientes, de acordo com uma análise recente dos dados da Pesquisa de Referência de Atuação de 2016 da American Medical Association. Talvez seja surpreendente, então, que apenas 7,9% dos gastroenterologistas tenham relatado o uso de telemedicina para interagir com pacientes, ficando em penúltimo lugar entre as especialidades de medicina interna. A natureza crônica de muitas doenças digestivas deve torná-las as principais candidatas ao uso da telemedicina, então por que a demora na adesão?

Parte do problema pode ser a escassez de evidências robustas para a telemedicina em doenças digestivas. Embora os estudos mostrem que os pacientes aceitam muito e estão satisfeitos com o uso da telemedicina para ajudar a controlar sua doença gastrointestinal, há muito poucos estudos desse tipo. Uma revisão sistemática de 2018 sobre o uso de telemedicina e tecnologia de saúde móvel no manejo de doenças digestivas identificou apenas 20 estudos que focavam em resultados clínicos. Doze desses estudos focaram em doenças inflamatórias intestinais, seis na síndrome do intestino irritável e dois em câncer colorretal; Aproximadamente metade dos estudos em que a atividade da doença foi medida relatou melhorias estatisticamente significativas. Os pesquisadores também encontraram estudos individuais de telemedicina no tratamento de cirrose, disfagia e doenças diarreicas, mas estes não preenchiam todos os critérios de inclusão.

 

Talvez também a lentidão na aceitação seja a preocupação em limitar as interações diretas entre o paciente e o prestador de serviços de saúde e a possibilidade de falta ou desentendimento das informações na ausência de pistas verbais e não verbais em pessoa – preocupações não exclusivas das doenças digestivas. Mas com a ampla adoção de telefones inteligentes, as chamadas de vídeo de alta qualidade são agora uma realidade e podem ajudar a dissipar esses medos. Pacientes em alguns países, como os EUA, também podem se preocupar com o reembolso. No entanto, muitos estados dos EUA introduziram leis de paridade do pagador privado para telessaúde, que exigem que as seguradoras cubram o fornecimento de serviços de telemedicina da mesma forma que os serviços presenciais.

Essas preocupações são válidas, mas as vantagens oferecidas pela telemedicina para consultas e monitoramento remoto de doenças podem fazer pender a balança para muitos pacientes. Para as pessoas que vivem em áreas remotas ou rurais, por exemplo, receber consultas iniciais ou de acompanhamento via videoconferência provavelmente será consideravelmente mais conveniente e menos dispendioso em termos de custos de viagem reduzidos, tempo fora do trabalho. O monitoramento remoto regular também poderia facilitar o desenvolvimento de estratégias de tratamento mais personalizadas e intervenções mais precoces quando surgirem novos sintomas ou recaídas de doenças, representando potencial economia de custos, por exemplo, fazendo o melhor uso de medicamentos caros e reduzindo internações hospitalares.

Os prestadores de serviços de saúde também podem se beneficiar – a telemedicina pode ajudar a aliviar as limitações de tempo, reduzir os tempos de espera e facilitar a busca de consultas especiais ou segundas opiniões. Programas de tele-orientação como o Project ECHO, que liga especialistas em centros acadêmicos com médicos de atenção primária em comunidades locais, adotam uma abordagem de “ensino e aprendizagem”, na qual especialistas compartilham seus conhecimentos e habilidades com prestadores de serviços de saúde comunitários. Após os primeiros sucessos no combate ao ônus da hepatite C no Novo México, o Projeto ECHO agora possui centros em 34 países que oferecem serviços para uma gama diversa de condições crônicas.

No entanto, os serviços de telemedicina só podem ser um complemento às práticas existentes, em vez de um substituto. Testes e tratamentos diagnósticos invasivos obviamente necessitarão de interações face a face. Mas a telemedicina – quando usada de forma eficaz – provavelmente simplificará e melhorará a qualidade do atendimento ao paciente e reduzirá os custos com assistência médica. As tecnologias de telessaúde ainda são relativamente novas, e pesquisas adicionais sobre sua eficácia – tanto em termos clínicos quanto em termos de custo – em doenças digestivas são essenciais. Este é particularmente o caso das condições gastrointestinais superiores crônicas e distúrbios gastrointestinais e de mobilidade funcionais. Mas, em um cenário de crescente incidência de doenças crônicas, a telemedicina para doenças digestivas tem um grande potencial.

Fonte:

THE LANCET

Guilherme França

Os comentários estão fechados.