maio 2019 – Página: 2 – Widoctor

Archive maio 2019

Assim é o cérebro de um psicopata

Assim é o cérebro de um psicopata

Revisão científica sugere que o estresse emocional na infância precipita a maturação excessiva de algumas regiões cerebrais e dificulta a gestão dos sentimentos

Embora o imaginário coletivo sempre se volte para a delinquência e a maldade quando se fala em psicopatia, esse transtorno da personalidade é algo mais complexo do que tal associação pode sugerir. Nem todos os delinquentes são psicopatas, nem todos os psicopatas são Hannibal Lecter, o vilão canibal de O Silêncio dos Inocentes. “Os psicopatas são pessoas com problemas de relação interpessoal e de gestão das emoções. Aparentemente são frios, embora não seja verdade que não tenham emoções – as têm, e muito intensas. O que não têm são remorsos, que é o que gera uma tendência à delinquência, mas não em todos os casos, claro”, afirma o médico Jesús Pujol, diretor de pesquisas da Unidade de Ressonância Magnética do serviço de Radiologia do Hospital del Mar, em Barcelona. Ele liderou uma revisão científica de outros estudos publicados e constatou que o cérebro dos psicopatas é diferente. A pesquisa indica que o estresse emocional na infância precipita a maturação excessiva de algumas regiões cerebrais como um sistema de proteção contra o sofrimento, mas termina dificultando também a gestão das emoções.

A complexidade da psicopatia transcende os estereótipos. De fato, um estudo publicado em 2013 na revista Journal of Forensic Science já alertava que a imagem de Lecter como protótipo do psicopata nem sequer era muito realista. O personagem foi descrito como “um psicopata de elite, que exibe níveis exagerados de inteligência, modos sofisticados e ardilosos, às vezes até níveis sobre-humanos e supermidiáticos”. Mais compatível com a realidade era, segundo o estudo, Anton Chigurh, o personagem interpretado por Javier Bardemem Onde os Fracos Não Têm Vez.

O leque de condutas é amplo, mas todos os psicopatas coincidem em uma coisa: as alterações cerebrais que os diferenciam de outros indivíduos sem este transtorno. Pujol e sua equipe revisaram mais de 400 artigos científicos nos quais foi analisado o cérebro das pessoas com psicopatia através de ressonâncias magnéticas. A meta-análise, publicado na revista científica Psychological Medicine, concluiu que a mente dos psicopatas apresenta uma maturação acelerada de várias regiões cerebrais relacionadas ao processamento emocional e cognitivo. “O cérebro dos psicopatas é diferente do ponto de vista anatômico e funcional. Há diferenças nas áreas que processam a cognição e o raciocínio e nas que processam a atividade emocional. A conexão entre estas duas áreas falha”, explica Pujol.

Os investigadores concluíram que, do ponto de vista anatômico, havia “uma aparente atrofia da substância cinza” nas regiões dos lobos temporal (onde está a amígdala, relacionada às emoções) e frontal (encarregado das funções cognitivas). “Entretanto, o que depois nós postulamos é que, na verdade, o que havia era um aumento da substância branca, o que implica uma supermaturação dessas áreas”, aponta Pujol.

Aparentemente são frios, mas não é verdade que não tenham emoções – as têm, e muito intensas

O estudo sugere que a origem dessa maturação acelerada de algumas regiões cerebrais está em ter sofrido situações de estresse emocional em idades precoces. O cérebro desenvolve essa maturação excessiva para se proteger das circunstâncias que lhe causam sofrimento. “Em um contexto de estresse emocional, a criança desencadeia uma maturação excessiva que implica, por um lado, um bloqueio para fugir do sofrimento e, por outro, transforma a pessoa em alguém não escrupuloso e carente de remorsos”, diz o médico. Ao amadurecer precocemente, a criança amplia a capacidade de tolerância ao sofrimento e consegue esquivar-se dessa situação emocional que lhe fere. Entretanto, esse sistema de defesa provoca danos colaterais: “Eles não têm freio emocional”, sintetiza Pujol. O médico observa que não se trata de um trauma, e sim de algo persistente ao longo do tempo, a ponto de modular a anatomia do cérebro.

Na prática, essa alteração cerebral faz que, frente a um dilema moral, a ativação dos dois sistemas (o cognitivo e o emocional) seja bloqueado. Nem sua capacidade de raciocínio nem seus sentimentos ou emoções são anulados. O que ocorre é que “a associação entre emoção e cognição na tomada de decisões fica bloqueada”, esclarece o médico. Contudo, ressalta, esses indivíduos “são responsáveis por seus atos”.

Semelhanças com o consumo de esteroides

Os pesquisadores também encontraram semelhanças entre os cérebros dos psicopatas e de pessoas que consomem esteroides androgênicos durante mais de 10 anos (essas substâncias geralmente servem para melhorar o rendimento esportivo ou aumentar a massa muscular). As alterações cerebrais detectadas nos psicopatas e nas pessoas que consomem esses anabolizantes por longos períodos são as mesmas.

Mas Pujol observa que tal semelhança não significa que os consumidores de esteroides acabem desenvolvendo um transtorno psicopático em longo prazo. “Há uma semelhança anatômica das duas patologias. Embora seja verdade que o controle dos impulsos e a conduta podem mudar após consumir esteroides durante longos períodos, isso está longe de pensar que pode gerar uma psicopatia.”

Urologia ou Cirurgia Plástica

Pergunta : Samantha ( Rio de Janeiro )
Sou formada em cirurgia geral e estou na dúvida entre plástica e urologia. Poderia me dar mais informações sobre as áreas, mercado e remuneração ? Obrigada!

Resposta :

A escolha da sub especialidade cirúrgica deve levar em consideração, além da qualidade de vida permitida e da possível remuneração, principalmente como será o dia a dia do profissional, ou seja tipo de pacientes e tipos de cirurgias  com as quais vai lidar.

Algumas informações sobre essas especialidades citadas por vc talvez possam te ajudar na escolha :

A Cirurgia Plástica é uma boa especialidade e o Mercado está cada vez ficando maior. O Brasil é o segundo País do mundo em número de cirurgias plásticas. São aproximadamente 600.000 cirurgias por ano.

Outra vantagem dessa especialidade é que não depende de planos de saúde, as cirurgias plásticas, que na maioria são estéticas, são  sempre pagas diretamente pelos clientes.

Além disso, a qualidade de vida desses profissionais é muito boa porque na maioria das vezes, as cirurgias são eletivas.

O status do especialista nessa área também é excelente; é uma categoria médica elitizada e talvez por isso muitos alunos de Medicina, em algum momento, pensem em serem cirurgiões plásticos.

Alguns aspectos especiais devem ser considerados na escolha dessa especialidade:

Para ser um cirurgião plástico de conceito médio, a maioria dos médicos pode conseguir, já que muitos procedimentos são técnicos e relativamente fáceis de se aprender com uma boa residência médica.

No entanto, para ser um Cirurgião Plástico acima da média e de grande fama, será necessário uma grande “ habilidade artística “( que nem todos possuem), além de uma boa dose de marketing.

Além disso, o amadurecimento do profissional dentro da especialidade é um pouco demorado e a duração da carreira também é mais curta; uma cliente de cirurgia plástica não vai querer ser operada por um cirurgião recém formado e também não vai querer os serviços de um cirurgião muito velho. Ela vai preferir um profissional na faixa entre 45 e 50 anos de idade.

Muitos cirurgiões plásticos após a residência ficam angustiados porque o aumento da clientela é um pouco lento, mas como todo início de carreira isso é comum e tem mesmo que “ralar muito ” para se colocar no mercado.

A saída para esse especialista no inicio de carreira será os plantões como cirurgião geral ou mesmo como emergencista clinico e as cirurgias plásticas a nível de mercado popular em bairros mais simples.

A urologia é uma das melhores especialidades cirúrgicas em função da população estar envelhecendo e da importância que se tem dado recentemente à prevenção do câncer de próstata, além dos novos medicamentos para disfunção erétil, o que faz aumentar rapidamente a clientela do urologista. Além disso, a especialidade abrange vários procedimentos diagnósticos e terapêuticos (endoscopias principalmente) e cirurgias que agregam valor à consulta do urologista. A qualidade de vida é boa já que a maioria das cirurgias é eletiva e os ganhos financeiros são bons.

A carreira na cirurgia plástica é mais demorada em termos de se consolidar no mercado de trabalho do que na urologia, onde a carreira solidifica mais rapidamente.

Sucesso

Mário Novais

Humildade no Ato Médico

Humildade no Ato Médico

Repost de outubro de 2018

O dicionário da língua portuguesa define humildade como sendo a “qualidade de quem age com simplicidade, característica de pessoas que sabem assumir as suas responsabilidades, sem arrogância, prepotência ou soberba”. Dessa forma, a humildade é um sentimento extremamente relevante para o médico, que o faz reconhecer suas próprias limitações, com modéstia e ausência de orgulho. Mas a questão é: qual motivo faz com que essa característica seja extremamente importante para se ter uma carreira médica bem sucedida? Podemos elencar, na verdade, três vertentes principais que podem ser abordadas quando se fala de tal traço: impactos para os pacientes, para a equipe de trabalho e para a carreira.

O mais importante aforismo de Hipócrates postula “primeiro, não causar dano”. Para isso, o médico deve ter em mente que possui restrições na atuação, humildade ao lidar com os pacientes. Sua prepotência pode causar inúmeros danos à saúde daqueles que se submeteram a seus cuidados. O bom médico deve estar sempre disposto a mudar de acordo com o que for melhor para o paciente, seja quando se trata de técnicas cirúrgicas, seja para delineamento de condutas terapêuticas e atualização do conhecimento cientifico que, principalmente na área da saúde, tende a acontecer de maneira cada vez mais veloz. Além disso, o sentimento em questão traz o médico a uma realidade de horizontalidade, onde o paciente está exatamente em seu nível, não inferiorizado pela situação de vulnerabilidade por suas debilidades físicas enquanto o médico, em posição superior, detém o conhecimento para lidar com a doença. Essa situação tende a produzir um atendimento mais humano, atento, enxergando o paciente sob várias perspectivas que não somente a de um “organismo doente que necessita de reparo”.

A humildade também é extremamente necessária quando se trata da convivência do médico com os outros profissionais. Segundo o filósofo chinês Confúcio, “a humildade é a única base sólida para todas as virtudes”. Quando se trata de relacionamento médico com sua equipe, virtudes estão fortemente relacionadas à boa convivência e, portanto, com produtividade e eficiência, o que se prova verdade num mundo progressivamente mais conectado em que a multidisciplinaridade é grandemente difundida e praticada. Nesse sentido, nenhum médico é detentor da verdade absoluta e do conhecimento pleno, sendo profícuos a discussão de casos com os colegas, a troca de opiniões e o pedido de ajuda quando o benefício do paciente o requer. Colocar a vaidade profissional acima da atenção ao paciente causa deformação no bom agir médico. É preciso estar disposto a retificar a opinião, uma atitude que não supõe nenhum demérito, mas sim a procura humilde, com consciência de missão, do bem estar do paciente.

Quando se busca uma carreira bem sucedida, a humildade vem, novamente, ocupando lugar de grande importância para a construção de um profissional de excelência. Pelas palavras de Mario Sergio Cortella, “a humildade é a habilidade de reconhecer que ainda há o que aprender, que não se atingiu o ponto máximo de crescimento”. Nesse caso, o médico que deseja fazer crescer e prosperar a carreira não pode portar a impressão de que já obteve todo o conhecimento e que já realizou todas as ações possíveis para alcançar seus objetivos, mas ter a sensibilidade de perceber que há sempre algo inédito para buscar, inovações que o diferenciarão de outros profissionais e o tornarão acima das expectativas do mercado.

De Hipócrates e Confúcio a Mario Sergio Cortella, a visão de que a humildade é extremamente eficaz na construção de um profissional/cidadão brilhante é convergente. Assim, o médico, que desfruta de grande status social pelo simples fato de ser médico, deve cuidar para que a arrogância, a prepotência e a soberba não ofusquem sua missão ao cuidar dos pacientes, ao lidar com os parceiros de equipe e ao planejar e construir sua carreira.

Referências:

https://www.gentedeopiniao.com.br/colunista/viriato-moura/exercicio-da-medicina-humildade-e-preciso

https://www.prospectivedoctor.com/humility-role-medicine/

https://www.dicio.com.br/humildade/

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0738081X12002659

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2917943/

Radiologia : Laudos a distância

Pergunta: Saulo (Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina)

Olá, sou acadêmico da 12 fase e estou em duvida quanto a especialidade que irei seguir. Tenho interesse na área de radiologia, gostaria de saber mais sobre como funciona os laudos a distância, são menos remunerados comparados aos laudos presenciais? Existe um período no qual eu devo laudar, ou posso fazer o laudo ou não quando eu quiser?

Resposta:

A telemedicina vem abrindo possibilidades para se levar conhecimentos para um País continental como o Brasil e ao mesmo tempo ampliando possibilidades de mercado para o médico.

A radiologia já vem utilizando essa tecnologia e através de uma empresa habilitada tecnologicamente (existem necessidades especiais de equipamentos e banda larga) o médico pode dar o laudo a distância.

Essas empresas normalmente dispõem de radiologistas de plantão ou alcançáveis a qualquer momento para os casos de emergências (tipo tomografia para serviços de emergências clinicas).

Então existem os laudos de emergência, porem a maioria dos laudos serão eletivos e aí o radiologista pode fornecer esses laudos posteriormente.

Essas empresas são contratadas pelos hospitais para fornecerem laudos aos hospitais e cobram por exemplo dos hospitais, R$ 7 a 10,00 por laudo de R-X e R$ 50 a 60,00 por laudo de tomografia. As empresas então repassam para o radiologista cerca de 50 % desse valor.

Os radiologistas podem ainda trabalhar sem essas empresa intermediárias, cobrando direto dos hospitais, conforme um contrato firmado entre as partes.

Sucesso

Mário Novais

Anvisa determina recolhimento de remédios para pressão alta

Anvisa determina recolhimento de remédios para pressão alta

A Anvisa vem adotando uma série de medidas após a detecção de impurezas, chamadas de nitrosaminas, nos princípios ativos conhecidos como “sartanas”, como a losartana e a valsartana, que são dos ingredientes utilizados na fabricação de medicamentos para o tratamento de hipertensão arterial (pressão alta). Uma das medidas já executadas pelo órgão é a determinação do recolhimento de lotes específicos do produto, visando a proteção da saúde da população.

O recolhimento determinado pela Agência atinge apenas lotes específicos de medicamentos, estratégia adotada em diversos países para os mesmos produtos. Desde julho de 2018, a Anvisa tem realizado publicações e ações alinhadas com agências do mundo inteiro, tais como a Agência de Medicamentos e Alimentos dos Estados Unidos da América (FDA) e a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), visando a segurança da saúde da população e a qualidade dos produtos consumidos.

No Brasil, além do recolhimento de lotes de medicamentos, as ações da Anvisa incluem a suspensão da fabricação, importação, distribuição, comercialização e uso dos insumos farmacêuticos ativos com suspeita de contaminação. No total, foram efetuadas 14 suspensões de três insumos (losartana, valsartana e irbesartana) de dez fabricantes internacionais.

Também foi determinada a fiscalização de todas as empresas fabricantes de medicamentos contendo “sartanas” disponíveis no mercado brasileiro. Até o momento, foram avaliadas 29 empresas e 111 medicamentos comercializados em 2018. Com relação ao recolhimento, ao todo os lotes recolhidos já somam aproximadamente 200.

A Anvisa também determinou a avaliação dos processos de qualificação dos fornecedores para os medicamentos à base de “sartanas” e a realização de testes para os produtos com insumos farmacêuticos ativos com possível formação de nitrosaminas durante a sua síntese química, entre outras medidas.

“É importante notar que essa é uma ação conjunta, que envolve esforços da Anvisa e de todos os fabricantes dos medicamentos, que estão ajudando a detectar quais são os lotes afetados pelo problema e voluntariamente recolhendo os produtos do mercado”, informa o gerente geral da área de Inspeção e Fiscalização Sanitária (GGFIS) da Agência, Ronaldo Gomes.

Para o consumidor, a Anvisa preparou uma lista com os números de lotes dos medicamentos que devem ser recolhidos, que pode ser rapidamente consultada. Basta verificar o número do lote que consta na caixa do medicamento.

Embora o risco seja muito pequeno, estudos apontam que as nitrosaminas têm potencial ou provável risco de causar câncer caso os medicamentos sejam consumidos todos os dias, em sua dose máxima, durante cinco anos seguidos.

Nessas condições, autoridades europeias calcularam que o risco de câncer associado ao consumo contínuo do medicamento é de 0,00017%, ou um caso para cada grupo de 6.000 pessoas. Portanto, o risco é muito baixo e está associado ao consumo diário e contínuo, em altas doses e por um longo período.

Por estes motivos, a Anvisa esclarece que o consumo desses medicamentos não oferece risco imediato para as pessoas que fazem uso deles e que eles são eficazes para o tratamento de pressão alta, mas recomenda que sejam trocados por outro de igual valor terapêutico.

Para quem tem em casa o medicamento com o mesmo número de algum lote recolhido, a Agência orienta que o tratamento de hipertensão não seja interrompido até que se faça a troca por outro medicamento. Isso porque a interrupção pode causar sérios prejuízos imediatos, como risco de morte por derrame, ataques cardíacos e insuficiência renal.

De acordo com a Anvisa, existem diversas alternativas medicamentosas para terapias de pressão alta e, por isso, não há risco de desabastecimento ou falta de medicamentos.  Ou seja, há no mercado brasileiro medicamentos da mesma classe terapêutica e com os mesmos princípios ativos e concentração.

A troca do medicamento deve ser feita mediante orientação de um médico ou de um farmacêutico.  O cidadão também pode entrar em contato com a empresa, por meio do serviço de atendimento ao consumidor, e solicitar a troca do seu medicamento que consta na lista de lote recolhido.

 

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/adocao-de-medidas-para-medicamentos-para-pressao-alta/219201?p_p_auth=YZizDbi6&inheritRedirect=false

A intensa vida do jovem presidente da Dasa

A intensa vida do jovem presidente da Dasa

Pedro de Godoy Bueno, herdeiro e presidente do Grupo Dasa.

Tudo acontece muito rápido – e muito cedo – na vida de Pedro de Godoy Bueno.

Aos 15 anos, iniciou um “duelo” com o pai, que queria mantê-lo como estagiário na empresa da família (o plano de saúde Amil). Pedro sonhava respirar novos ares, de preferência no exterior.

Aos 16, entrou no curso de economia da PUC-Rio.

Aos 20, participou do programa de trainees do banco BTG Pactual (marcando sua vitória no duelo citado no primeiro parágrafo). “Foi uma experiência sensacional”, diz. “Trabalhava das 8h da manhã até meia-noite, 2h da madrugada. Morava com meu pai e nem o via.”

Aos 22, retornou para a Amil. No mesmo ano, ela foi vendida para a gigante norte-americana UnitedHealth, e Pedro aproveitou o momento de vacas gordas no caixa para montar uma gestora de investimentos, a DNA. “Começamos a fazer uma série de investimentos – entre eles a Dasa.”

No segundo semestre de 2014, foi convidado para assumir a presidência do grupo de laboratórios, então avaliado em R$ 3 bilhões. Em janeiro de 2015, assumiu o cargo – aos 24 anos de idade, foi considerado o CEO mais jovem de uma empresa de capital aberto do Brasil.

Por sua pouca idade, seu estilo low profile (o oposto do pai) e sua “cara de criança”, a nomeação gerou protestos de sócios minoritários e desconfiança de colaboradores mais antigos. Mas Pedro contava com o respaldo do pai, Edson de Godoy Bueno, e de Dulce Pugliese (ex-mulher e sócia de Edson), que haviam assumido o controle acionário da Dasa. “Muita gente acha que foi meu pai que me indicou. Não foi. Foi um de nossos conselheiros independentes. Meu pai era até contra, achava que era cedo para um desafio tão grande, que eu podia me queimar na largada.”

Em fevereiro de 2017, Edson sofreu um infarto durante uma partida de tênis em sua casa, em Búzios. A morte repentina (mas não exatamente inesperada – ele já tinha oito stents) do pai e mentor fez os olhares novamente se voltarem para o jovem Pedro. Mais preocupado em gerar resultados do que em conversas de corredor, no entanto, o jovem executivo concentrou sua energia em expandir a rede de laboratórios, recuperar os níveis de qualidade das instalações e do atendimento e aumentar a rentabilidade do negócio – uma equação difícil até para os mais experientes gestores.

Em março de 2017, ele foi um dos destaques da FORBES Under 30, lista que elenca os jovens brasileiros mais relevantes em seus segmentos. Em agosto de 2018, aos 27 anos, ele se tornou o brasileiro mais jovem a figurar na lista de bilionários da FORBES, com patrimônio de R$ 2,7 bilhões (na 84ª posição; em anos anteriores, Edson aparecia entre os 20 mais ricos do país). O herdeiro não perdeu o foco nem deslumbrou-se: continuou perseguindo a meta de expandir e melhorar a qualidade e a saúde do negócio.

No quesito expansão, a rede superou 750 unidades. No quesito qualidade, basta entrar em uma das novas unidades do Alta Excelência Diagnóstica em São Paulo e no Rio de Janeiro para sair de lá impressionado. Quanto às finanças, depois do ano de estreia apertado (receita de R$ 2,79 bilhões contra despesa de R$ 2,77 bi), a curva foi pendendo a seu favor: 2017 fechou com faturamento de R$ 3,4 bilhões e lucro de R$ 134 milhões, e só o primeiro semestre de 2018 já rendeu um lucro de R$ 128 milhões.

Em outubro de 2018, uma notícia causou alvoroço e dúvida no setor: a Dasa anunciou uma reorganização interna, criando o cargo de diretor-geral – a ser ocupado pelo CFO Carlos de Barros, que será responsável por conduzir o dia a dia da operação – e alterando as atribuições do presidente, que passará a se dedicar a questões estratégicas, como expansão internacional, novos projetos, aquisições, parcerias e transformação digital.

Seria um sinal de perda de poder? Nem um pouco. “Continuo como presidente. O diretor-geral ficará abaixo de mim”, declarou Pedro. Sua família, afinal, já detém 98% da empresa. Sob o guarda-chuva da Dasa estão marcas como o Alta (para o público de alta renda), Delboni Auriemo, Lavoisier, Previlab e dezenas de outros laboratórios, que realizam 250 milhões de exames anuais e empregam quase 20 mil pessoas (2 mil delas, médicos). A família tem participação em outros negócios – incluindo na UnitedHealth, que comprou 90% da Amil em 2012 por R$ 10 bilhões.

“Fiz tudo muito jovem”, concorda Pedro, hoje com 28 anos. “Minha intenção era estudar fora aos 15 anos, mas meu pai já estava com problemas cardíacos e a gente achou melhor eu ficar no Brasil, perto dele, aprendendo e interagindo com ele. Concordei. E comecei a estagiar na Amil. Tínhamos feito um IPO em 2007 e eu era estagiário da área de relações com os investidores. Então tive oportunidade desde muito cedo de participar de reuniões de diretoria, onde se discutiam estratégias, fusões, aquisições”, lembra o executivo. “Nesse ponto, foi bom. Mas, por outro lado, trabalhar na empresa da família te deixa dentro de uma bolha: ninguém te dá bronca, ninguém te enfrenta… Seu desenvolvimento profissional fica prejudicado. Por isso eu queria sair. Demorei seis meses para convencer meu pai, ele não queria deixar de jeito nenhum. Até que, um dia, apelei para a chantagem: ‘OK, eu fico, mas todo dia, saindo da faculdade, vou direto à praia’. Ele achou melhor eu trabalhar em outro lugar.” Era o início dos dois anos intensos no BTG.

Mas por que trabalhar tanto assim “para os outros”? Perfeccionismo e orgulho explicam: ele achava os colegas “brilhantes” e não queria ficar para trás. Para se destacar, trabalhava em dobro.

SEGREDOS DO SUCESSO

Apesar de toda a precocidade, os sustos e percalços pelo caminho, o estilo do jovem executivo tem dado resultados. “Hoje temos inúmeros indicadores para mostrar que a gestão tem sido um sucesso. Ajudou muito o fato de eu ter entrado nisso com muita humildade. Tem muita gente jovem que, por não saber tudo nem ter experiência, sente necessidade de aparentar o contrário”, diz ele.

“Eu queria entender, perguntava muito, tive a sorte e talvez a competência de sempre me cercar das pessoas certas.” Para isso, não faltou coragem para fazer uma mudança radical logo no primeiro ano sob seu “reinado”. “Mudamos 80% da diretoria. Tenho esse mérito, o de ter escolhido as pessoas certas, todas com muita experiência e competência em
vários setores. Estávamos perdendo share para os concorrentes, alguns médicos tinham resistência em relação às nossas marcas, os números estavam em declínio. Era uma empresa que estava muito aquém de seu potencial”, lembra.

Aumentar a qualidade e a eficiência ao mesmo tempo foi um grande desafio. “Tivemos que mudar alguns conceitos internamente. Eficiência, por exemplo, não significa um corte de custos desenfreado. É você diminuir custos em coisas que não agregam ao paciente, ao médico, e direcionar os recursos para onde de fato eles fazem diferença. Um exemplo bobo: cortamos as copeiras da diretoria e contratamos mais recepcionistas nas unidades que tinham filas maiores.” Graças a essa e outras ações do tipo, o NPS (net promoter score, índice de satisfação e lealdade dos clientes), segundo ele, passou de 55 para 74.

O faturamento previsto para 2018 é de R$ 4,6 bilhões. Nada mau para quem ainda nem chegou aos 30. Mas acomodação não faz parte do vocabulário de Pedro Bueno. Ainda este ano, ele pretende concluir o processo de unificação dos sistemas das várias unidades do grupo e começar a lançar “inovações cada vez mais radicais”, contando para isso com a proximidade de startups de saúde – são parceiros do Cubo, o hub de inovação do Itaú. Outra grande aposta é a empresa de genética diagnóstica GeneOne. “Os tratamentos e principalmente a prevenção de doenças com base em informações genéticas são o futuro da medicina. Será possível determinar de forma muito mais assertiva o melhor remédio e o melhor tratamento para cada paciente, com resultados mais rápidos e mais qualidade de vida. Vai acabar esse negócio de tentativa e erro.”

Hoje ele não trabalha das 8h às 2h como na época do BTG, mas acorda às 6h30 (“tento dormir 7 horas por noite para não perder produtividade”), faz academia cinco vezes por semana, come regradamente e leva uma vida sem ostentação nem badalação, quase que totalmente focada no trabalho.

Diante de tanto entusiasmo e dedicação, volto à questão da chantagem que ele fez com o pai, aos 15 anos de idade, dizendo que viraria um “rato de praia”. “Você ia mesmo ficar o dia inteiro sem fazer nada na praia?”, pergunto. “Que nada. Foi um blefe.”

Fonte:

Forbes Brasil

Olimpíada Brasileira de Medicina Interna

Olimpíada Brasileira de Medicina Interna

Estão abertas as inscrições para a II Olimpíada Brasileira de Medicina Interna do Conselho Federal de Medicina (CFM). A proposta é incentivar a pesquisa científica e a competição pelo conhecimento entre estudantes do sexto ano de graduação de medicina e residentes em clínica médica.

O candidato será submetido a prova escrita objetiva realizada por meio eletrônico no dia 29 de maio, às 20h. Serão oitenta questões testes, com quatro alternativas cada, nas áreas básicas de Medicina Interna. Para essas questões, apenas uma alternativa será considerada correta.

 

Os prêmios serão atribuídos a cada um dos melhores desempenhos por categoria (sexto anista, R1, R2, R3 de clínica médica). “O objetivo dessa competição é incentivar, valorizar de forma lúdica, o profissional que tem interesse em se capacitar ou que está em treinamento na área de medicina interna”, destaca a coordenadora-adjunta da Câmara Técnica do CFM, Maria do Patrocínio Nunes.

 

As olimpíadas são totalmente gratuitas. Os participantes irão receber certificado e os vencedores receberão ajuda de custo e passagens para receber certificado de vencedor em Brasília durante o IV Fórum de Clínica Médica do CFM, no dia 12 de julho de 2019.

 

Fonte: http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=28222:2019-05-14-13-17-56&catid=3

 

Inscrições/Edital: http://www.inscricoes.fmb.unesp.br/principal.asp

Identificado um novo tipo de demência confundido até agora com o Alzheimer

Identificado um novo tipo de demência confundido até agora com o Alzheimer

Ronald Reagan morreu aos 93 anos sem lembrar que havia sido presidente dos EUA em plena Guerra Fria. Rita Hayworth faleceu aos 68 sem saber que protagonizara Gilda. E Adolfo Suárez partiu aos 81 tendo esquecido que foi o primeiro presidente democrático da Espanha depois da morte de Franco. A cada três segundos um novo caso de demência é diagnosticado no mundo, com resultados demolidores. Mais de um século após a descoberta do mal de Alzheimer, ainda não existe qualquer tratamento possível e nem sequer se compreendem bem as causas da doença.

Uma equipe internacional de cientistas publica agora um documento que poderia ajudar a explicar os motivos de estas terapias experimentais terem fracassado uma após a outra há anos. O Alzheimer nem sempre é Alzheimer. Os pesquisadores, encabeçados pelo norte-americano Peter Nelson, descreveram um novo tipo de demência, batizado LATE (acrônimo do difícil nome científico “encefalopatia TDP-43 límbico-predominante relacionada com a idade”) que aparentemente é tão habitual quando o Alzheimer nas pessoas com mais de 80 anos. Ele passou despercebido durante décadas. “Existem mais de 200 vírus diferentes que podem causar o resfriado comum. Por que pensar que só há uma causa par a demência?”, argumentou Nelson, da Universidade de Kentucky, em um comunicado.

Tradicionalmente, a comunidade científica assinalou duas proteínas por sua vinculação com o Alzheimer : a beta-amilóide, que se acumula entre os neurônios, e a tau, que também alcança níveis prejudiciais e forma novelos no cérebro. No novo tipo de demência, LATE, os pesquisadores apontam a outra proteína, a TDP-43, já implicada em outras doenças do sistema nervoso, como a esclerose lateral amiotrófica.

“Até agora, a demência senil mais prevalente é o mal de Alzheimer, que tem um pico de incidência entre os 65 e os 80 anos de idade”, explica o bioquímico Jesús Ávila, diretor científico da Fundação Centro de Investigação de Doenças Neurológicas (CEM) de Madri. “Agora, neste trabalho se indica, e há um consenso, de que existe outra patologia para os mais velhos. Isto é, conforme vai aumentando a vida média, vão aparecendo novos tipos de demência”, acrescenta Ávila.

Os autores do estudo sustentam que os sinais do LATE estão presentes em mais de 20% dos cérebros analisados de pessoas com mais de 80 anos. “Muitos dos ensaios clínicos de tratamentos contra o Alzheimer fracassam porque estão incluindo pacientes que deveriam ser excluídos”, alerta María Anjos Martín Requero, cujo laboratório no Centro de Investigações Biológicas (CSIC), em Madri, pesquisa o papel da proteína TDP-43 nas demências. “LATE provavelmente responde a diferentes tratamentos que o Alzheimer”, concorda a psicóloga Nina Silverberg, do Instituto Nacional sobre o Envelhecimento dos EUA.

A equipe da neurocientífica Virginia Lee, da Universidade da Pensilvania, já observou em 2006 a presença de indícios da proteína TDP-43 na degeneração lobular frontotemporal do cérebro, um dos principais tipos de demência junto ao Alzheimer, a demência de corpos de Lewy e a demência vascular. No caso de LATE, a TDP-43 costuma se concentrar na amígdala e no hipocampo, duas áreas do cérebro relacionadas, respectivamente, com as emoções e com a memória autobiográfica.

Há anos Alberto Rábano vê essas acumulações de TDP-43 dentro dos neurônios. Ele dirige o banco de cérebros da Fundação CEM, com 155 órgãos doados por pacientes do Centro Alzheimer Fundação Reina Sofía, no bairro madrilenho de Vallecas. “Sempre dissemos que o Alzheimer, a partir de 85 anos, parece outra doença. Nessas idades tão extremas, a demência é uma soma de patologias. Vemos Alzheimer, Alzheimer com Parkinson, doença vascular cerebral, inclusões de TDP-43…”, ressalta ele.

Os autores do novo estudo, publicado na revista especializada Brain, alertam que cada vez há mais pessoas com mais de 80 anos em todo mundo e, portanto, “LATE tem um impacto crescente e pouco conhecido na saúde pública”. Há “uma necessidade urgente de investigação”, advertem. Rábano, por sua vez, aproveita para fazer um apelo à população: “Doem seus cérebros [para a ciência]”.

Fonte:

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/04/29/ciencia/1556556220_386317.html

 

Cirurgia Plástica

Pergunta : Mariana (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)
Bom dia. Gostaria de saber sua visão sobre o futuro da cirurgia plastica. Penso na área, mas tenho receio em relação ao fato de que a maior parte de lucro vir de parte estética e não uma cirurgia realmente necessária para a vida do paciente. Muito obrigada! sucesso cm o blog

Resposta :

O Mercado de Cirurgia Plástica é um dos mercados mais promissores. A tendência do mercado não é o de saturar, mas sim o de aumentar, principalmente pela importância cada vez maior dada pela população ao aspecto “beleza” e também pelo fato dos homens começarem a se tornar clientes dessa especialidade.

Algumas informações detalhadas podem te ajudar a se definir:

A Cirurgia Plástica é uma boa especialidade e o Mercado está cada vez ficando maior. O Brasil é o segundo País do mundo em número de cirurgias plásticas. São aproximadamente 600.000 cirurgias por ano.

Outra vantagem dessa especialidade é que não depende de planos de saúde, as cirurgias plásticas, que na maioria são estéticas, são sempre pagas diretamente pelos clientes.

Além disso, a qualidade de vida desses profissionais é muito boa porque na maioria das vezes, as cirurgias são eletivas.

O status do especialista nessa área também é excelente; é uma categoria médica elitizada e talvez por isso muitos alunos de Medicina, em algum momento, pensem em serem cirurgiões plásticos.

Alguns aspectos especiais devem ser considerados na escolha dessa especialidade:

Para ser um cirurgião plástico de conceito médio, a maioria dos médicos pode conseguir, já que muitos procedimentos são técnicos e relativamente fáceis de se aprender com uma boa residência médica.

No entanto, para ser um Cirurgião Plástico acima da média e de grande fama, será necessário uma grande “ habilidade artística “( que nem todos possuem), além de uma boa dose de marketing.

Além disso, o amadurecimento do profissional dentro da especialidade é um pouco demorado e a duração da carreira também é mais curta; uma cliente de cirurgia plástica não vai querer ser operada por um cirurgião recém formado e também não vai querer os serviços de um cirurgião muito velho. Ela vai preferir um profissional na faixa entre 45 e 50 anos de idade.

Muitos cirurgiões plásticos após a residência ficam angustiados porque o aumento da clientela é um pouco lento, mas como todo início de carreira isso é comum e tem mesmo que “ralar muito ” para se colocar no mercado.

A saída para esse especialista no inicio de carreira será os plantões como cirurgião geral ou mesmo como emergencista clinico e as cirurgias plásticas a nível de mercado popular em bairros mais simples.

Sucesso

Mário Novais

Enriquecendo com saúde: qual a importância de fazer um planejamento financeiro pessoal?

Enriquecendo com saúde: qual a importância de fazer um planejamento financeiro pessoal?

Se você fica se perguntando o que é preciso fazer para conquistar a independência financeira, o primeiro passo a ser dado é realizar um planejamento financeiro para organizar o que entra e o que sai da sua conta.

Embora seja um tema negligenciado por boa parcela dos brasileiros, o planejamento financeiro pessoal é uma das ferramentas mais importantes para quem busca alcançar objetivos e realizar sonhos e, claro, para conquistar e manter a independência financeira. Afinal, com ele é possível planejar-se, criando um manto de proteção financeira.

O que é o planejamento financeiro?

Você se esforça muito para ganhar seu dinheiro, por isso ele precisa trabalhar para você. Além disso, caso não tenha o comando do planejamento financeiro nas suas mãos, pode acabar se endividando desnecessariamente.

Quem investe na organização das finanças pessoais consegue assegurar uma vida mais tranquila quanto ao planejamento financeiro. Mas, colocar as finanças em ordem não é somente saber o quanto você ganha e o quanto você gasta. Ter conhecimento de onde você despende seu dinheiro é fundamental para buscar o equilíbrio em sua conta corrente.

Portanto, ter equilíbrio financeiro nada mais é do que gastar menos do que se ganha. Para isso, é preciso monitorar receitas e despesas. A tecnologia é uma grande ajuda neste sentido: existem diversos aplicativos gratuitos que podem auxiliar no controle do que entra e do que sai da sua conta.

Mas, se você não é tão tecnológico, pode apostar no bom e velho caderno de anotações, desde que consiga categorizar suas despesas e conferir se os números batem com o saldo da sua conta corrente.

Para que serve esse tipo de planejamento financeiro?

Especialistas em finanças pessoais indicam que suas despesas fixas mensais não devem ultrapassar 65% dos seus rendimentos, afinal, além da necessidade de poupar para o futuro, você também pode sofrer com custos não previstos, como uma batida de carro ou gastos médicos.

O planejamento financeiro pessoal é a ferramenta ideal para ajudá-lo a manter esse controle de maneira eficiente e correta.

Quais são os benefícios de elaborar um planejamento financeiro pessoal?

Fazer um planejamento financeiro pessoal ajuda a economizar, evitando despesas desnecessárias, para poupar direcionado o dinheiro aos investimentos e reservas emergenciais.

Realizar esse tipo de plano permitirá que você tenha muito mais qualidade de vida, tanto hoje quanto no futuro. Ao ter a segurança material necessária para aproveitar os prazeres da vida, além de uma garantia para imprevistos, sua mente fica mais tranquila para curtir cada momento.

Fonte:

https://academiamedica.com.br/blog/qual-a-importancia-de-fazer-um-planejamento-financeiro-pessoal?utm_campaign=58beb9b38c3fb60932b35286&utm_source=whatsapp_share&utm_medium=social