junho 2019 – Widoctor

Archive junho 2019

Micro-objetivos: como começar (e terminar) qualquer tarefa

Micro-objetivos: como começar (e terminar) qualquer tarefa

Os métodos mais simples para estimular a produtividade levam em conta o princípio de criar pequenas metas, os micro-objetivos. Entenda duas técnicas, com base nos micro-objetivos, que vão te ajudar a começar suas tarefas, e não parar até cumpri-las.

A forma mais simples de estimular a produtividade se baseia na ideia de começar, de qualquer forma, estipulando uma pequena meta. A eficácia dos “micro-objetivos” foi comprovada cientificamente: é possível enganar o cérebro para aumentar os níveis de dopamina – neurotransmissor que ativa os circuitos de recompensa – ao alcançá-los.

Para cada tarefa que precisa ser cumprida, o princípio dos micro-objetivos é fracioná-la nos menores pedaços possíveis e completar um de cada vez. Por exemplo, se a meta final é escrever um texto, um bom começo é abrir o documento no computador. O segundo objetivo pode ser redigir uma frase, o terceiro, a segunda, e assim por diante.

Com o aumento da dopamina, qualquer passo vai parecer uma maior realização do que é. Assim, a motivação cresce e consequentemente, a eficiência também. Esta premissa é utilizada em várias técnicas de produtividade – selecionamos duas das melhores.

 

Regra de 5 minutos

Esta método pertence à categoria de psicoterapia chamada Cognitivo Comportamental e consiste em se dedicar a uma atividade por apenas cinco minutos. Parece pouco, mas cinco minutos de atividade são bem mais do que fazer nada – ainda mais a médio ou longo prazo.

Grande parte da procrastinação vem da ansiedade de começar uma tarefa sem saber quanto tempo ela levará, ou exatamente que passos deverão ser realizados. Então, a regra que prevê o micro-objetivo de trabalhar por cinco minutos funciona porque é dá a impressão de ser completamente possível.

Seguindo esta técnica, há grandes chances da energia começar a fluir e, com ela, surgir também vontade de cumprir a meta. Por conta disso, na segunda, ou terceira vez, há chances de o período de trabalho se estender por muito mais do que os minutos previstos.

 

Regra de 2 Minutos (com base na Lei de Newton)

Se cinco minutos ainda parece muito, a Regra de 2 Minutos criada pelo escritor e empreendedor James Clear  pode ser o ideal. Ele também incrementou a abordagem de “apenas começar”, porém com base em uma teoria do físico Isaac Newton.

Esta regra prevê que para acabar com a procrastinação, a pessoa deve encontrar uma maneira – qualquer – de iniciar sua tarefa em menos de dois minutos.

O segundo princípio deste método é baseado no que diz a Primeira Lei de Newton. Também conhecida como Lei da Inércia, presume que um objeto permanece em repouso ou continua a se mover a uma velocidade constante, a menos que seja influenciado por uma força externa.

De acordo com a Lei da Inércia, James Clear diz que assim que conseguir iniciar a tarefa de dois minutos – ou seja, começar a ser produtivo -, vai ser muito mais fácil continuar. Sem perceber, todos os micro-objetivos serão cumpridos e as maiores metas, também.

Disponível em:

Micro-objetivos: como começar (e terminar) qualquer tarefa

Novo ‘Viagra feminino’ é liberado nos EUA

Novo ‘Viagra feminino’ é liberado nos EUA

Vyleesi tem algumas vantagens sobre o medicamento anterior: ele deve ser usado apenas antes da relação e pode ser tomado com bebida alcoólica

Um novo medicamento para tratar o baixo desejo sexual em mulheres , o segundo depois de Addyi , que entrou no mercado em 2015, foi aprovado nos Estados Unidos pela FDA, órgão de vigilância sanitária do país.

O remédio, chamado Vyleesi, será vendido pela AMAG Pharmaceuticals e deverá ser usado 45 minutos antes da relação sexual , por meio de uma caneta auto-injetável que é administrada na coxa ou no abdômen.

— Obviamente que estamos entusiasmados com a possibilidade de trazer uma outra opção aos pacientes —, disse Julie Krop, diretora médica da AMAG, em Massachusetts. — As mulheres vêm sofrendo significativamente, e quase em silêncio, com uma condição estigmatizada, quando muitas não sabem que é algo tratável.

Durante anos, o FDA esteve sob pressão para encorajar mais tratamentos para mulheres com baixo desejo sexual, condição conhecida como transtorno de desejo sexual hipoativo. Medicamentos para homens com disfunção erétil estão no mercado há duas décadas.

Mas os tratamentos voltados às mulheres sempre provocaram controvérsias. O primeiro produto, Addyi, foi aprovado em meio a uma campanha publicitária que acusava seus detratores de machistas. Mas alguns opositores argumentavam que seus riscos superavam seus benefícios. Isso porque o Addyi deve ser tomado todos os dias e não pode ser misturado a bebidas alcoólicas, o que pode causar desmaios.

Logo depois que foi colocado à venda, o Addyi foi adquirido pela Valeant Pharmaceuticals por US$ 1 bilhão, que não conseguiu promovê-la. Assim, a Valeant vendeu de volta o produto para seus proprietários originais em 2017, e as vendas da droga têm sido mornas.

Executivos da empresa se recusaram a dizer quanto Vyleesi custará e disseram que forneceriam mais detalhes quando o produto for colocado à venda, ainda neste ano. Eles informaram que esperavam que as seguradoras cubram o Vyleesi em uma escala semelhante à Addyi e aos medicamentos masculinos para disfunção erétil — a cobertura desses medicamentos por planos comerciais de saúde é mista.

A farmacêutica, responsável por outros produtos para a saúde feminina, estima que cerca de 6 milhões de mulheres americanas na pré-menopausa sofram de baixo desejo sexual, uma condição que em grande parte não é tratada. A empresa disse ainda que o mercado pode se traduzir em cerca de US$ 35 milhões por ano para cada 1% dos pacientes afetados que usam seu produto. A droga foi desenvolvida pela Palatin Technologies, que a licenciou para a venda pela AMAG na América do Norte em 2017.

Algumas mulheres relataram náuseas

Também conhecido como bremelanotida, o Vyleesi tem algumas vantagens sobre o Addyi. Deve ser usado apenas antes da relação e pode ser tomado com bebida alcoólica. Mas também tem algumas desvantagens — ela envolve injeções de agulha e, em testes clínicos, 40% tiveram náusea após tomá-la. No total, 18% das mulheres abandonaram o estudo, incluindo 8% que pararam de participar devido a náuseas.

O medicamento mostrou melhorar os sentimentos de desejo das mulheres e diminuiu sua angústia em relação ao sexo, mas não aumentou o número de “eventos sexualmente satisfatórios” que fosse estatisticamente significativo.

Krop, da AMAG, disse que a FDA não exige mais que as empresas que testam drogas para baixa libido feminina usem a quantidade de relações sexuais que as mulheres têm como um critério de avaliação primária. Isso porque, segundo ela, as mulheres com baixo desejo sexual continuam fazendo sexo com seus parceiros — mas simplesmente não têm prazer. “Muitas vezes as mulheres têm relações por pena ou por obrigação para manter o relacionamento”, disse. “O problema é que elas estão incomodadas com esse tipo esse sexo que estão tendo.”

Alguns críticos da indústria farmacêutica questionaram se Vyleesi seria o exemplo mais recente de uma empresa oferecendo uma solução farmacêutica para um problema que, na verdade, seria muito mais complexo.

“Acho que vale a pena observar o nível aceitável de libido que é influenciado socialmente”, disse Adriane Fugh-Berman, professora do departamento de farmacologia e fisiologia do Centro Médico da Universidade de Georgetown, que estuda marketing farmacêutico. “Fazer com que as mulheres se importem menos com o sexo ruim que elas estão tendo é uma meta duvidosa.”

TEXTO RETIRADO DO SITE: https://oglobo.globo.com/sociedade/novo-viagra-feminino-liberado-nos-eua-23758432

A Medicina não é uma profissão, mas um ofício

A Medicina não é uma profissão, mas um ofício

Tal qual um carpinteiro, o médico exerce um ofício
Não dá para aprender a ser médico nas frases de um livro

Alguém pegou no ombro do jovem artesão
Ensinou o passo a passo, sussurrou com coração
Mostrou como empunhar o martelo, como escolher a madeira,
Mostrou como se faz uma bela cadeira

O advogado leu e decorou as leis
O físico calculou órbita do planeta seis
Construir e edificar tal qual a engenharia
Havia um livro a ensinar toda essa bruxaria

Mas o jovem carpinteiro, que leva a vida moldando um Pinheiro
Exerce um ofício passado de corpo inteiro
Não adianta dizer onde bater o prego ou quão macio será o assento,
Vai lá, aprende, erra, tenta, com empenho

Pois bem, o médico tal qual o carpinteiro
Exerce um ofício, ama, chora, sente o cheiro
Algum grande mestre o ensinou a colher uma história
Disse onde estavam as pedras no caminho da glória

Se fulano sente isso, pergunte sobre aquilo
Se lhe responder isto, complemente, seja preciso
Ouça o que ele quer te dizer
Ouça o que ele não quer te contar
Por fim escute o que ele jamais poderia abordar

Ponha a mão no ombro do doente
Toque, sinta o que ele sente
Ausculte seu coração, peça que respire fundo
aí vem o pulmão
Se mova de um lado para o outro,
Erre e ouça: assim é melhor, não acha meu garoto?

A ti chegarão os mais vulneráveis
Nos piores momentos de suas vidas
Seja paciente e mesmo que não suporte o ambiente
É seu dever, dentro do ofício, lidar com gente

Gente educada, gente bonita
Gente estressada querendo uma boa briga
Gente grata, gente triste, gente sem nada
Que só precisa de uma boa conversada

Você será pai, irmão, neto de alguém
Pois bem,
olhe para aquela pessoa como amor de outrem

William Osler já nos dizia, há muito tempo
Ver pacientes sem ler livros é como navegar ao relento
Mas ler livros sem ver pacientes é a mesma coisa que nunca ter sentido o vento

Vejamos a medicina com paixão
Como me ensinou um certo Tavarão
“Nunca perca o brilho no olhar”
Espero que ele permaneça até minha alma evaporar
Compartilhe dessa arte com grandes amigos
Aqueles que são verdadeiros amantes dos nossos ofícios

Pois tal qual um carpinteiro, o médico não exerce uma profissão, o médico exerce um ofício 24 horas, o dia inteiro.

Disponível em:

https://academiamedica.com.br/blog/a-medicina-nao-e-uma-profissao-mas-um-oficio

Pfizer ocultou indícios de que um de seus fármacos poderia prevenir o Alzheimer

Pfizer ocultou indícios de que um de seus fármacos poderia prevenir o Alzheimer

Foi um achado surpreendente. Em 2015, depois de analisar centenas de milhares de reclamações de seguros, uma equipe de pesquisadores da Pfizer descobriu que um dos fármacos campeão de vendas da empresa, o Enbrel, um potente anti-inflamatório para o tratamento de artrite reumatoide, poderia reduzir o risco de Alzheimer em 64%. É o que revela The Washington Post em uma reportagem exclusiva, com base em documentos internos da empresa, aos quais teve acesso.

Acontece que a verificação desses efeitos do remédio exigiria um teste clínico caro. E, depois de um longo debate interno, a gigante farmacêutica decidiu não prosseguir com a pesquisa e não divulgar os resultados, como a empresa confirmou ao jornal.

“O Enbrel poderia potencialmente prevenir, tratar e retardar a progressão do mal de Alzheimer”, dizia o documento em PowerPoint, de acordo com o Post, preparado por um grupo de pesquisadores da Pfizer para ser apresentado a um comitê interno da empresa em fevereiro de 2018. Esses especialistas, do departamento de doenças inflamatórias e imunologia, pediram à Pfizer que realizasse um ensaio clínico com milhares de pacientes e um custo estimado de 80 milhões de dólares (cerca de 320 milhões de reais).

Mas, segundo a explicação da Pfizer ao jornal, após três anos de estudos internos a empresa entendeu que a expectativa de que o Enbrel prevenisse o mal de Alzheimer não era alta porque o fármaco não atinge diretamente o tecido cerebral. A decisão de não continuar pesquisando foi exclusivamente científica, disse um porta-voz da empresa. Eles também consideraram que a publicação de um resumo de suas descobertas estatísticas não teria cumprido seus “rigorosos padrões científicos”.

No entanto a Pfizer compartilhou seus dados em particular com pelo menos um cientista proeminente, de acordo com o Post. Mas outros pesquisadores consultados pelo jornal acreditam que, pelo menos, a empresa deveria ter publicado esses dados para que outros cientistas pudessem acessá-los. As empresas farmacêuticas têm sido alvo frequente de críticas por esconderem os efeitos negativos de seus produtos. Mas não há consenso sobre quais obrigações as farmacêuticas teriam para disseminar possíveis novos efeitos positivos.

A busca de novos tratamentos para a doença de Alzheimer até o momento tem sido frustrante. Apesar dos bilhões investidos em pesquisa, não existe uma droga que efetivamente previna ou trate com eficácia essa doença neurodegenerativa, a forma mais comum de demência, que se caracteriza pela perda de memória e outras habilidades mentais e que, atualmente, é incurável e afeta pelo menos meio milhão de novos pacientes por ano. Mais de 400 ensaios clínicos fracassaram desde que a última droga para a doença, que só trata os sintomas, e temporariamente, foi aprovada há mais de 10 anos.

Não é incomum que medicamentos desenvolvidos para tratar uma condição acabem sendo usados para outra. A própria Pfizer tem uma história conhecida de sucesso: a do popular Viagra, concebido para tratar a hipertensão e que acabou como um tratamento para a disfunção erétil, gerando lucros bilionários para a empresa. Ao contrário desse caso, o Enbrel não é atualmente protegido com uma patente exclusiva, como era o Viagra na época, o que reduz os lucros e incentivos para pesquisar outros usos do medicamento.

No momento em que eram concluídas as deliberações internas sobre o Enbrel, a Pfizer estava, na realidade, abandonando a pesquisa sobre o Alzheimer. A empresa anunciou em janeiro de 2018 o fechamento de sua divisão neurológica tecnológica. Na mesma semana houve a divulgação do fracasso de dois medicamentos experimentais desenvolvidos por outras empresas farmacêuticas.

Fonte:

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/05/internacional/1559749832_040997.html

Residência Médica na França

Pergunta : Ana Laura (Universidade de Ribeirão Preto)
boa tarde, sou estudante do sexto ano no Brasil. Tenho muito interesse em futuramente ter uma experiência na França. Tenho diploma do B2 em frances, e gostaria de saber quais são as possibilidades de estudar na França. É possível uma pós graduação? Residência médica? Obrigada desde já.

Resposta :

Para se fazer uma especialização médica na França, há dois caminhos: fazer todo o curso de medicina lá ou, no caso de brasileiros formados no Brasil (ou graduados em medicina em qualquer outro país não-membro da União Europeia), passar por um processo que inicia com a revalidação do diploma.

Ele começa com o Procedimento de Autorização de Exercício (PAE), destinado a médicos diplomados fora da França. Esse processo de regularização teve início em 1995, com a lei Weil. A partir daí, os médicos estrangeiros que estavam no serviço público, passaram a ter os mesmos direitos dos colegas franceses e europeus em exercício. O PAE consiste em provas teóricas e práticas em medicina geral, além de avaliações do domínio da língua francesa.

Após a aprovação na revalidação via PAE, o médico deve fazer o Exame Nacional Classificatório e concorrer com os outros estudantes franceses e da União Europeia a vagas de residência.

Futuro da Cirurgia Cardiovascular

Pergunta : Rubem (Universidade de Pernambuco)
Bom dia, Dr.! Estou com muitas dúvidas na cx cardiovascular, na questão de mercado de trabalho, tendência a diminuição dos procedimentos realizado pela especialidade. Pois é uma especialidade de pouco contato durante a formação médica. Gostaria de saber quais as expectativas para a especialidade nos próximos anos?

Resposta :

A mudança recente da residência de cirurgia cardiovascular para acesso direto foi um avanço conseguido pela sociedade científica da especialidade, pois diminui o tempo de formação do profissional sem prejudicar a qualidade técnica, e os cirurgiões cardiovasculares já não realizavam mesmo cirurgias gerais depois da formação especifica.
O Mercado de trabalho do cirurgião cardiovascular, realmente, vem diminuindo, já que vários procedimentos vem sendo disputados por outros especialistas como os hemodinamicistas, radiologistas intervencionistas, cirurgiões vasculares.
A área de atuação deve caminhar para procedimentos menos invasivos e patologias congênitas ou cirurgias vasculares periféricas.
Por outro lado a fuga dos estudantes dessa especialidade, pela lei da oferta e da procura, deve diminuir o número desses profissionais com consequente melhoria do mercado a médio e longo prazo.
Não seria uma boa opção para o cirurgião cardiovascular trabalhar como cardiologista clínico, já que essa é uma outra especialidade e que exige outros conhecimentos técnicos.
Concluindo a tendência do mercado não parece muito favorável paras esses especialistas.
Abaixo transcrevo artigo publicado na folha de são Paulo alguns anos atrás :
“Tradicionalmente considerada especialidade nobre e responsável por salvar muitas vidas, a cirurgia cardiovascular já não é a menina dos olhos dos estudantes de medicina. Dados nacionais de 2008 mostram que, das 321 vagas de residência na especialidade oferecidas pelo governo no país, apenas 53 estavam preenchidas.
O levantamento feito pela Associação Brasileira dos Residentes de Cirurgia Cardiovascular mostra que a procura não atinge seu total nem sequer em importantes centros hospitalares. No Hospital das Clínicas da USP de Ribeirão Preto havia apenas um residente para 12 vagas oferecidas.
Responsável por cirurgias, colocação de marcapasso e outros exames, o cirurgião cardiovascular perde espaço hoje para especialidades mais “atrativas” como dermatologia, em que há 32 candidatos por vaga de residência.
“A baixa procura está relacionada a uma formação longa e deficiente, contribuindo também para este problema um mercado de trabalho repleto de oportunidades ruins”, diz Anderson Dietrich, presidente da Associação dos Residentes em Cirurgia Cardiovascular.
Entre essas “oportunidades ruins” estão os baixos salários. Um cirurgião cardiovascular pode começar ganhando até R$ 2.500, segundo Gilberto Barbosa, presidente da SBCCV (Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular).
Ele afirma que a queda da procura pela profissão é um fenômeno mundial, ligado em parte à diminuição das operações. “As cirurgias de coronária, por exemplo, diminuíram 70% em razão dos avanços que possibilitaram dilatar as coronárias e colocar stents [espécie de tubo inserido na artéria para impedir o seu entupimento].”
A baixa remuneração acontece também em razão de as operações requererem a presença de equipes grandes.
Há ainda a formação longa: são seis anos de residência, sendo dois em cirurgia geral e quatro em cirurgia cardiovascular. Muitos acabam escolhendo carreiras em que possam começar a receber antes.
Outros acabam optando pela obtenção de título da SBCCV, o que pode ocorrer após quatro anos de treinamento e o cumprimento de uma série de requisitos, como número mínimo de cirurgias realizadas.
A sociedade estima que 20% a mais de cirurgiões se formam hoje por essa via em detrimento da residência.
Falta
A preocupação que surge com os dados da associação é a possível falta de cirurgião cardiovascular no país. Para Gilberto Barbosa, o certo é incentivar a escolha pela especialidade, principalmente das estudantes de medicina, que costumam não escolhê-la. “Em 15 anos haverá falta de cirurgião cardiovascular, já que vivemos em um país com uma população cada vez mais idosa.”
Já Anderson Dietrich diz que as vagas ociosas oferecidas pelo MEC hoje poderiam ser redirecionadas, pois incentivar mais profissionais na área seria criar uma reserva de mercado, contribuindo ainda mais para os baixos salários da carreira.
Segundo o diretor de Hospitais Universitários e Residências em Saúde da SESu (Secretaria de Educação Superior), do MEC, José Rubens Rebelatto, “estão em estudo na secretaria, em conjunto com a Comissão Nacional de Residência Médica, algumas ações para a reformulação das residências médicas com o objetivo de garantir um melhor aproveitamento dos recursos e a otimização da ocupação das bolsas”
Sucesso
Mário Novais

A eficácia de diferentes tipos de antidepressivos em idosos

A eficácia de diferentes tipos de antidepressivos em idosos

Apesar de seu uso comum na prática clínica diária, não se sabe a eficácia comparativa e a segurança dos inibidores seletivos da recaptação da serotonina e dos inibidores da serotonina/norepinefrina em idosos. Para responder a esta questão, uma equipe de cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia, realizou uma revisão sistemática e meta-análise com 15 ensaios clínicos randomizados elegíveis para inclusão, incorporando estudos sobre o uso de citalopram, escitalopram, paroxetina, duloxetina, venlafaxina, fluoxetina e sertralina. Os dados sobre a resposta parcial (definida como pelo menos uma redução de 50% na pontuação da depressão em relação à linha de base) e fatores de segurança – tais como tonturas, vertigens, síncopes, quedas e perda de consciência – foram extraídos, uma meta-análise de rede Bayesiana foi realizada e os riscos relativos (RR) foram produzidos.

Em um estudo, publicado pelo Journal of the American Geriatrics Society, envolvendo indivíduos com 60 anos de idade ou mais, os pesquisadores descobriram que, em relação à resposta parcial, a sertralina (RR=1,28), paroxetina (RR=1,48) e duloxetina (RR=1,62) foram significativamente melhores do que o placebo. Os restantes produziram RRs menores do que 1,20. Em relação à vertigem, a duloxetina (RR=3,18) e a venlafaxina (RR=2,94) foram estatística e significativamente piores do que o placebo. Em comparação ao placebo, a sertralina tinha o menor RR para tontura(1,14) e a fluoxetina tinha o segundo RR mais baixo (1,31). O citalopram, escitalopram, paroxetina e todos os outros tinham RRs entre 1,4 e 1,7.

Os autores concluíram que havia evidência clara da eficácia da sertralina, paroxetina e duloxetina. Parece haver também uma hierarquia de segurança associada aos diferentes antidepressivos e uma escassez de relatórios de resultados de segurança. Em um momento de pesquisas comparativas de eficácia, parece que ainda se faz necessário dar maior foco na eficácia comparativa destes e de outros medicamentos psiquiátricos.

 

Original: https://www.news.med.br/p/medical-journal/799919/quais+sao+os+melhores+antidepressivos+para+os+idosos.htm

Sobre a polêmica da implantação das casas de parto

Sobre a polêmica da implantação das casas de parto

Quando se inicia o trabalho de parto, a gestante dirige-se a uma casa aconchegante e confortável, onde pode caminhar, comer e beber à vontade, tomar banhos relaxantes e receber  massagens. A  posição de parir, seja na água, deitada ou de cócoras, é escolhida pela parturiente. Acompanhantes são bem-vindos durante todo o processo e intervenções médicas só são usadas quando necessárias. Enfermeiras e parteiras fazem acompanhamento pré-natal e durante todo o parto. O recém-nascido não é separado da mãe, que pode amamentar livremente. Essa é a proposta das Casas de Parto, modelo que a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS/RJ) pretende implantar, com o apoio do Ministério da Saúde, e que já existe em cidades como São Paulo, Belo Horizonte e Brasília. Somente grávidas que fizeram o pré-natal e comprovaram que são gestantes de baixo risco podem parir assim.

No entanto, nem todos concordam com esse modelo. O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) acionou o Ministério Público (MP) para impedir o funcionamento das Casas de Parto. A entidade afirma que é indispensável a presença de médicos no processo de nascimento do bebê. “Não é possível retroceder a uma situação do século passado numa cidade com possibilidades amplas de equipamentos e profissionais como o Rio de Janeiro”, indigna-se Abdu Kexfe, obstetra e um dos diretores do Cremerj. Dia 4 de fevereiro, o MP realizou audiência pública para discutir a questão.

Por conta dessa oposição, foi criado o Movimento pelas Casas de Parto, que conta com o apoio de diversas organizações como a Rede pela Humanização do Parto e Nascimento (Rehuna), a Associação Brasileira de Enfermeiras Obstétricas (Abenfo), a Associação Nacional de Doulas (Ando) e a Rede Feminista de Saúde, entre outras. No “Manifesto das Usuárias”, o movimento afirma que mais de 95% das mulheres são capazes de dar à luz naturalmente, na presença de uma enfermeira obstétrica ou parteira, mas ao longo dos anos, o parto foi perdendo seu sentido natural e fisiológico e passou a ser visto como um evento perigoso. De acordo com o manifesto, que defende a mulher como protagonista do parto, um momento que antes era familiar, transformou-se em frio, tecnológico e medicalizado.

“O número de cesarianas cresceu muito atualmente, inclusive em partos de baixo risco”, afirma Ingrid Lotfi, líder do Movimento pelas Casas de Parto. Esse aumento foi acompanhado por uma elevação nas intervenções desnecessárias no processo natural de parir e no número de mortes e danos a mães e filhos. Segundo ela, há uma indústria de cesarianas em que os médicos até marcam a cirurgia com antecedência, o que fere o código de ética da profissão e põe em risco a vida das mulheres.

Para o Cremerj, não existe o conceito de parto sem risco. “Há gravidez de baixo ou alto risco, e isso não tem nada a ver com o parto”, defende Kexfe. Segundo ele, em 15 a 20% dos partos sem médico ocorre alguma situação de emergência com danos para a mãe ou para o recém-nascido. A entidade fundamenta sua argumentação em um decreto lei de 1932 que estabelece que nenhuma unidade de saúde pode funcionar sem um médico, e em uma lei de 1993 que garante a presença de um pediatra na assistência ao parto. De acordo com o Cremerj, a portaria do Ministério da Saúde de 1999, que permite que partos sejam realizados sem obstetras ou pediatras, somente com enfermeiras, contraria os outros dois dispositivos.

O Movimento pelas Casas de Parto e a SMS/RJ afirmam que a casa de parto não é uma unidade médica ou hospitalar, pois prevê cuidado, não tratamento médico. Além disso, elas se localizam próximas a hospitais de referência e contam com ambulâncias preparadas para encaminhar parturientes para esses hospitais caso ocorra alguma complicação. De acordo com o Movimento, esse modelo é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e é utilizado por países como Holanda, Dinamarca e Japão, nos quais diminuiu a taxa de mortalidade em partos.

Segundo o Cremerj, nesses países essa prática também é condenada. “Não tem por que importar um modelo falido”, afirma Kexfe. De acordo com a entidade, o parto sem a presença de médicos pode causar danos à saúde da criança, como retardo mental, paralisia cerebral e atraso escolar. Kexfe acusa os defensores das Casas de Parto de pessoas despreparadas que não conhecem os avanços da ciência. “Há mil maneiras de se humanizar o parto, sem retirar a figura do médico”, completa.

O secretário de saúde do Rio, Marcos Dias, estranha essa oposição do Cremerj por já haver casas de parto em outras cidades brasileiras. “Essa não é a preocupação de outras categorias que também lidam com a saúde da população. Tenho receio de que seja apenas uma questão de corporativismo”, acredita Dias.

Texto na íntegra:

https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Direitos-Humanos/Conselho-de-Medicina-se-opoe-a-Casas-de-Parto-no-Rio/5/1371

Primeiro remédio para depressão pós-parto é liberado nos EUA

Primeiro remédio para depressão pós-parto é liberado nos EUA

Doença que afeta uma em cada sete americanas e uma em cada quatro brasileiras ganha droga que age em até 48 horas, mas tem aplicação cara e complicada

A agência americana responsável pela regulação de alimentos e medicamentos (FDA, na sigla em inglês) anunciou, na última terça (19), a liberação do primeiro remédio já criado para combater especificamente a depressão pós-parto.

A droga, chamada brexanolona (e que terá o nome comercial de Zulresso, nos EUA), é fabricada pela Sage Therapeutics. Ela age em até 48 horas nas pacientes, mas precisa ser administrada por via intravenosa ao longo de 60 horas, segundo a FDA. Por isso, e por poder causar sonolência e tontura, sua aplicação tem de ser feita em um centro médico.

É a primeira vez que a depressão pós-parto, a mais frequente das doenças ligadas à gravidez (afeta mais de 25% das brasileiras, e uma em cada sete mulheres nos EUA), ganha um tratamento considerado eficaz. Até então, as pacientes eram tratadas com antidepressivos comum, cujos efeitos podiam demorar semanas e nem sempre aconteciam.

A brexanolona é uma versão sintética de um hormônio esteroide chamado alopregnanolona, que o corpo humano fabrica naturalmente. Durante a gravidez, os níveis de alopregnanolona aumentam significativamente (até quase 30 vezes, segundo estudos), regredindo a seu nível normal logo após o parto.

Essa oscilação do hormônio é considerada responsável por mudanças no cérebro que, em algumas mulheres, contribuem para a depressão e a ansiedade. A brexanolona se liga a receptores cerebrais e modifica a resposta ao estresse, mas seu mecanismo de ação não foi completamente determinado.

Dois testes clínicos com cerca de 250 mulheres de idades entre 18 e 45 anos que tinham depressão pós-parto mostrou que, num período de 60 horas após a ingestão da droga, metade das que a tomaram não tinha mais sinais clínicos de depressão. Os efeitos de uma única infusão do medicamento duraram por até 30 dias.

A fabricante da brexanolona está testando atualmente uma versão da droga em formato de pílula. A pesquisa está na fase de estudos clínicos e ainda não foi aprovada pela FDA.

O custo do medicamento, segundo a Sage Therapeutics, varia de US$ 20 mil a US$ 35 mil.

O que é a depressão pós-parto

No Brasil, em cada quatro mulheres, mais de uma apresenta sintomas de depressão no período de 6 a 18 meses após o nascimento do bebê, segundo estudo da Escola Nacional de Saúde da Fiocruz.

O Ministério da Saúde brasileiro define a doença como “uma condição de profunda tristeza, desespero e falta de esperança que acontece logo após o parto”. Ela traz inúmeras consequências ao vínculo da mãe com o bebê, sobretudo no que se refere ao aspecto afetivo.

A literatura cita efeitos no desenvolvimento social, afetivo e cognitivo da criança, além de sequelas prolongadas na infância e adolescência.

Um estudo feito pela Escola de Medicina da Universidade da Califórnia mediu como a depressão da mãe afeta negativamente o desenvolvimento cognitivo de seu filho: em uma escala de 1 a 19, o QI verbal médio das crianças de 5 anos analisadas foi de 7,64. O desempenho daqueles que tinham mães profundamente deprimidas era de 7,30, enquanto os filhos de mães sem depressão alcançaram 7,78.

Mais raramente, a depressão pós-parto pode evoluir para uma forma mais agressiva e extrema, conhecida como psicose pós-parto.

 

TEXTO RETIRADO DO SITE: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/primeiro-remedio-para-depressao-pos-parto-liberado-nos-eua-23539310

Inteligência não é o fator mais importante para atingir o sucesso. Entenda por quê!

Inteligência não é o fator mais importante para atingir o sucesso. Entenda por quê!

Autora de um bestseller sobre o assunto, a psicóloga Angela Lee Duckworth ganhou milhões de adeptos com sua TED Talk e afirma que talento e inteligência não são os únicos indicadores de sucesso; “Garra é ter resistência”, falou

Em maio de 2013, Angela Lee Duckworth apresentou sua teoria sobre o sucesso em uma TED Talk. Ela levou apenas seis minutos para explicar por que a garra (ou grit, em inglês) era fundamental.

Quatro anos, um bestseller e uma bolsa de estudos da Fundação McArthur (conhecida como o “prêmio dos gênios”) depois, a ideia continua ganhando adeptos pelo mundo.

Basicamente, garra é a habilidade pessoal de escolher um objetivo de longo prazo e não abandoná-lo, apesar dos obstáculos e dificuldades que inevitavelmente surgirão no caminho.

Isso exige uma mistura intensa de paixão e perseverança. Mas será que essas características podem ser desenvolvidas?

A faísca da pesquisa veio quando a acadêmica tinha 27 anos e começou a ensinar matemática para crianças no sétimo ano. Analisando suas notas, ela percebeu uma relação inusitada entre os melhores desempenhos e inteligência: não eram necessariamente os mais inteligentes ou talentosos que iam bem, e sim os mais determinados.

“Eu tinha plena certeza de que cada um dos meus alunos era capaz de aprender o conteúdo caso se dedicasse tanto quanto necessário”, contou.

A ideia ganhou forma durante seu mestrado em Psicologia na University of Pennsylvania, onde ela é professora atualmente. Foi lá que Duckworth desenvolveu a “escala de grit”, que previa o sucesso de alunos em uma instituição militar ou uma competição de soletração, por exemplo, ambos cenários bastante desafiadores.

“Minha pergunta era: ‘Quem aqui é bem sucedido e por quê?’”, lembra. “Em diferentes contextos, uma característica se destacou como um indicador significativo de sucesso – e não foi a inteligência social, a boa aparência, a saúde física ou o Q.I. Foi a garra.”

Garra e growth mindset

Para começar, é preciso ser realista. A psicóloga diz que é impossível obrigar-se a se interessar por algo que você não se interessa, mas ao ativamente buscar e aprofundar seus interesses, é possível criar garra para se aprimorar naqueles assuntos.

Essa garra, assim como um sentimento de esperança ou resiliência, vai mantê-lo no caminho mesmo quando surgirem inevitáveis contratempos.

Um dos jeitos que Duckworth oferece para desenvolvê-la na prática é saber mais sobre a mentalidade de crescimento, ou growth mindset.

Desenvolvido por Carol Dweck, uma professora da Stanford University, esse conceito afirma que, ao aprender como o cérebro humano funciona e responde a desafios, o indivíduo tem uma probabilidade maior de perseverar depois de um fracasso porque entende que aquilo não é uma falha pessoal ou permanente.

“Em um estudo, ensinamos às crianças que todas as vezes que elas se forçam a sair de sua zona de conforto para aprender algo novo e difícil, os neurônios em seus cérebros conseguem formar conexões novas e mais fortes, e com o tempo, elas podem ficar mais espertas”, explicou Dueck.

“Estudantes que não aprenderam a cultivar essa mentalidade continuaram a apresentar notas cada vez mais baixas, mas aqueles que aprenderam essa lição deram um grande salto.”

Quando o significado de esforço e dificuldade é transformado, como é o caso da mentalidade de crescimento, as dificuldades servem como estímulos – e fortalecem o sentimento de garra.

Garra, no fim, é saber manter-se resiliente apesar dos obstáculos, sejam eles externos ou internos. “É viver a vida como se fosse uma maratona, não uma simples corrida”, resume Duckworth. Sem isso, objetivos ambiciosos e de longo prazo simplesmente não serão atingidos, pois a pessoa não saberá se manter firme ao persegui-los.

Vídeo disponível em:

 

Fonte:

Na Prática