Carreira Médica – Widoctor

Inovação do tratamento de Retinopatia Diabética vence o prêmio Empreenda Saúde 2018

Inovação do tratamento de Retinopatia Diabética vence o prêmio Empreenda Saúde 2018

A fundação everis, que tem por objetivo apoiar e promover o empreendedorismo por meio de atividades em diferentes esferas da sociedade, anunciou no final de 2018 o vencedor da 4ª edição do Prêmio Empreenda Saúde, iniciativa que, em parceria com o Hospital Sírio-Libanês, visa a estimular profissionais e estudantes de diferentes áreas a criarem soluções que contribuam para a melhoria das práticas, processos, tecnologias e métodos de gestão no setor de saúde.

O vencedor foi o tratamento farmacológico não invasivo para retinopatia diabética, projeto que desenvolveu uma nova formulação de base nanotecnológica para o tratamento não invasivo (colírio) da retinopatia diabética. Esta formulação carrega o princípio ativo para a parte interna do olho, liberando-o gradativamente. Atualmente, as modalidades terapêuticas para o tratamento dessa complicação ocular são fotocoagulação a laser da retina, injeção intraocular de medicações ou mesmo cirurgias intraoculares, todas invasivas, caras, arriscadas e com reservado prognóstico visual.

É importante ressaltar que a retinopatia diabética é a maior causa de cegueira irreversível em pessoas diabéticas em idade produtiva. Dados da Federação Internacional do Diabetes mostram que existem hoje cerca de 380 milhões de pessoas com diabetes no mundo e aproximadamente outras 46 milhões que convivem com o diabetes, sem saber do diagnóstico. Estima-se, ainda, que um a cada dois ou três pacientes diabéticos apresentará alguma forma de retinopatia diabética, com risco de perder a visão.

“A retinopatia diabética (RD) é a principal causa de cegueira em pessoas com idade produtiva em diversos países, contribuindo com 12% – cerca de 5 mil – de todos os novos casos de cegueira por ano no mundo. E me incomoda muito continuar vendo pessoas com perda de visão causada por essa doença no meu dia a dia. Esta foi a principal motivação para desenvolver esse trabalho”, afirma a líder do projeto Jacqueline Mendonça Lopes de Faria, médica pós-doutorada pela Universidade de Harvard, pesquisadora e professora da pós-graduação da Faculdade de Ciências Médicas/UNICAMP.

“Foi o começo de uma história que, tenho certeza, irá evoluir para outra fase e causar grande impacto positivo para muita gente no mundo, graças a essa inesperada premiação da fundação everis. Estou muito satisfeita, feliz e orgulhosa de estar nesse meio, conhecendo pessoas importantes que farão parte dessa história”, finaliza.

A 4ª edição do Prêmio Empreenda Saúde recebeu mais de 200 projetos com foco na melhoria do setor. Todos os trabalhos foram submetidos a uma comissão de avaliação e um corpo de jurados com representantes das áreas de ensino, pesquisa, inovação e empresários dos mais diversos âmbitos da saúde no Brasil. A análise dos projetos levou em conta os critérios de aplicabilidade (relevância do problema), inovação, e nível de contribuição para melhoria do sistema de saúde (tamanho da população beneficiada). Além do prêmio equivalente a R$ 50 mil reais, o vencedor receberá orientação profissional especializada da everis para colocar sua ideia em prática no mercado brasileiro.

Original: https://ipnews.com.br/everis-anuncia-vencedor-do-premio-empreenda-saude-2018/

Otorrino ou Oftalmologia

Pergunta: Flávia (Universidade de Alfenas -BH)
Olá, estou finalizando o quinto ano de faculdade, e durante esse tempo decidi por limitar minhas escolhas de especialização em duas especialidades: Otorrinolaringologia e Oftalmologia. Vejo ambas as especialidades muito próximas em alguns quesitos (acesso direto na residência, presença de muitos procedimentos cirúrgicos, mesmo tempo de formação, melhor flexibilidade de horários, entre outros). Há ainda possibilidade de fellow após a residência no caso da oftalmo ou sub especialização em cirurgia de cabeça e pescoço no caso da otorrino. Gostaria de saber, na sua opinião, qual das duas vale mais a pena, pontos positivos e negativos, mercado de trabalho, carga horária e etc?

Resposta :

As duas especialidades são ótimas opções e estariam com certeza na relação das 6 melhores especialidades do momento.

Ótima qualidade de vida, excelente remuneração a médio e longo prazo, dia a dia tranquilo e mercado em crescimento com o envelhecimento da população, além de vários procedimentos e cirurgias que agregam valor ao preço da consulta.

O que deve direcionar na sua escolha é como você vai se sentir no dia a dia de cada uma dessas especialidades, ou seja com o tipo de paciente e tipos de patologias com as quais vai lidar diariamente.

Embora as duas contemplem atividades clinicas e cirúrgicas, a otorrino é uma especialidade mais cirúrgica do que a oftalmo.

A qualidade de vida da oftalmo pode ser ligeiramente melhor pela menor incidência de complicações nas suas cirurgias do que na otorrino, onde alguns sangramentos pós operatórios são relativamente frequentes.

Sucesso

Mário Novais

CFM atualiza lista de especialidades médicas

CFM atualiza lista de especialidades médicas

O Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou no início de 2019 a nova resolução para atualizar a lista de especialidades médicas no Brasil, com isso foi criada uma área de atuação, a medicina aeroespacial, e também foi ampliada para cinco anos o tempo necessário para a formação do cirurgião cardiovascular. Essas são algumas das mudanças na formação de especialistas previstas na Resolução CFM nº 2.221/18 (acesse o texto aqui), que atualiza a relação de especialidades e áreas de atuação médica. O normativo, aprovado pela Comissão Mista de Especialidades (CME) e homologado pelo plenário do CFM, vai substituir a Resolução nº 2.162/17. A Resolução nº 2.221/18 foi publicado no Diário Oficial da União nessa quinta-feira (24/02) e entra em vigor imediatamente.

Formada por representantes do CFM, da Associação Médica Brasileira (AMB) e do Ministério da Educação, representado pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), a CME tem a competência para, periodicamente, atualizar a lista de especialidades médicas e de áreas de atuação, além de estabelecer as regras para a formação de especialistas. “É natural que ocorra essa atualização, já que novas especialidades e áreas de atuação podem surgir, assim como algumas podem desaparecer ou se transformar”, argumenta o relator da Resolução nº 2.221/18, conselheiro federal pela AMB, Aldemir Humberto Soares.

A Resolução 2.221/18 manteve os mesmos números de especialidades e áreas de atuação já reconhecidas anteriormente: 55 e 59, respectivamente. Apesar de a medicina aeroespacial ter sido incluída como nova área de atuação, a medicina de urgência deixou de existir, pois foi incorporada à especialidade Medicina de Emergência, criada nos últimos anos.

Na formação de especialistas, a resolução manteve os três anos para a formação de novos pediatras e cirurgiões gerais a partir de 2019, sendo que, a partir de 2020, passam a vigorar as respectivas Matrizes de Competências dos Programas de Residência Médica destas especialidades.

A nova resolução também definiu a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica e a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, respectivamente, como as responsáveis por realizar os concursos para a obtenção de títulos nas duas especialidades. Além das provas aplicadas pelas sociedades, os candidatos a especialistas também poderão cursar os programas de residência médica, cuja duração varia de acordo com a especialidade.

 

Fonte: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2018/2221

https://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=28053:cfm-atualiza-lista-de-especialidades&catid=3

Segundo caso de cura da AIDS na história da medicina

Segundo caso de cura da AIDS na história da medicina

Em matéria divulgada pelo New York Times na primeira semana de março de 2019, foi relatado o segundo caso de cura de HIV na história.

Por 12 anos os pesquisadores tentaram replicar o procedimento realizado há 12 anos, quando conseguiram pela primeira vez erradicar uma infecção pelo HIV.

Os investigadores devem publicar o seu relatório na revista Nature e apresentar alguns dos detalhes na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas em Seattle.

 

Publicamente, os cientistas estão descrevendo o caso como uma remissão a longo prazo. Em entrevistas, a maioria dos especialistas está chamando o caso como de cura, com a ressalva de que é difícil saber como definir a palavra quando há apenas duas instâncias conhecidas.

 

O procedimento da “cura”, foi realizada por meio de transplante de medula óssea nos pacientes, juntos à terapia antirretroviral. Curiosamente, o objetivo inicial do procedimento não era a cura da AIDS, mas sim tratar a leucemia dos pacientes.

“Isso vai inspirar as pessoas que a cura não é um sonho”, disse Annemarie Wensing, virologista do Centro Médico da Universidade de Utrecht, na Holanda. “É alcançável.”

Fonte: https://www.nytimes.com/2019/03/04/health/aids-cure-london-patient.html?smid=fb-nytimes&smtyp=cur&fbclid=IwAR2lbUhBzezBGaewaXNrRn_Y9GSDmC8yTvfeiFoDWdatZqsXgHXAqbXx08k

Dúvida na Escolha da Especialidade

Pergunta : Glauber (Universidade Luterana do Brasil)
Inicialmente, parabéns pela iniciativa desse grande site. Estou inclinado por 3 especialidades e considerando que vou me formar aos 33 (fiz direito antes da medicina) gostaria de saber qual dessas especialidades tem um melhor mercado atual e futuro e o tempo de vida profissional maior entre: Urologia, Cirurgia Torácica e Traumatologia/ortopedia?

Resposta :

Na escolha da especialidade, devemos levar em consideração não apenas o mercado atual e futuro, como vc está preocupado, mas também a qualidade de vida que o profissional terá e qual o seu grau de conforto e felicidade com o dia a dia próprio da especialidade.

Além, disso é comum o estudante ter dificuldade na escolha por gostar de mais de uma especialidade. Como é inviável escolher mais de uma, a solução é se definir por uma dentre as que ele gosta e parar de olhar pra trás, pensando se poderia ter escolhido alguma outra.

Das especialidades citadas por vc, a urologia e a ortopedia se equivalem em termos de mercado e de qualidade de vida. A cirurgia torácica pode ser interessante (como mercado) apenas em cidades onde ainda não exista esse especialista.

Formando com 33 anos, embora ainda tenha uma boa quantidade de anos para trabalhar como médico, se ainda estiver preocupado com a idade, então a ortopedia seria a melhor escolha pois é uma especialidade de acesso direto na residência, enquanto a urologia e a cirurgia torácica exigem pré-requisito de residência em cirurgia geral.

Sucesso

Mário Novais

Dermatologia : Mercado Futuro

Pergunta : Marília (Centro Universitário do Planalto Central)
Tendo em vista a abertura de inúmeras faculdades de medicina e com isso, mais programas de pós-graduação, nos próximos anos a tendência é aumentar a quantidade dermatologistas no país. Mesmo com esse aumento, ainda será uma especialidade com bom retorno financeiro?

Resposta :

A classe de estudantes de Medicina está ficando mais criteriosa na escolha da futura especialidade médica e já começa a dar preferência às especialidades que permitem melhor qualidade de vida e melhor remuneração, como é o caso da dermatologia.

Consequentemente o número de dermatologistas tende a aumentar, porém o mercado para esse especialista também já vem aumentando em ritmo ainda maior, com o envelhecimento da população, da importância que se tem dado à prevenção do CA de pele e da enorme força da indústria de cosméticos, que vem impulsionando a procura pela beleza na população.

Resumindo, não vejo preocupação em relação ao mercado para dermatologistas, com o aumento do número de médicos no Brasil.

Sucesso

Mário Novais

Anestesiologia ou Clínica Médica

Pergunta : Amanda (Faculdade Santa Marcelina-SP)
Anestesio ou clínica médica? No caso da clínica penso em fazer endocrinologia como especialidade. Qual a melhor escolha?

Resposta :

As duas especialidades apontadas por vc apresentam caminhos diferentes na formação profissional e acima de tudo dia a dia bem diferentes após a formação técnica.

Anestesio é uma especialidade de acesso direto na residência médica e endocrinologia é uma especialidade clínica com pré requisito de 2 anos de residência em clinica médica.

Na verdade o rótulo de  melhor escolha poderá variar de acordo com suas ambições e planejamento de vida.

Algumas informações sobre essas especialidades poderão te ajudar na escolha :

Anestesiologia :

É a especialidade onde o ganho financeiro é maior e mais rápido. Mesmo durante a residência, aparecem muitas oportunidades de serviços extras ( na maioria das vezes oferecidos pelo próprio staff da residência médica )
Além das atividades regulares, o anestesista ainda tem oportunidade de enveredar por um mercado pouco explorado e em ascensão , que é o das chamadas “Clínicas da Dor”.
A anestesiologia possibilita ganhos financeiros muito grandes e também maior independência de patrões e de convênios. Por outro lado, a qualidade de vida é prejudicada, principalmente no início de carreira, pela irregularidade de horários e pelas urgências.
Com o passar do tempo, se o anestesista não for “desesperado por dinheiro “, ele pode organizar sua vida e seus horários e desempenhar a maior parte da sua jornada de trabalho com anestesias eletivas e ficar de sobreaviso para urgências apenas uma ou duas vezes por semana.

Endocrinologia :

Os campos de atuação desse especialista são muito variados e o mercado de trabalho está em franco crescimento para os especialistas dessa área.: :

Abaixo material fornecido pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia

Andropausa: Os hormônios masculinos podem diminuir quando o homem envelhece. Nesse caso, algumas pessoas podem sentir cansaço, diminuição da força muscular e disfunção sexual, necessitando da ajuda do especialista para fazer reposição hormonal.

Colesterol e Triglicerídeos: A alimentação errada e algumas doenças podem levar ao aumento do colesterol e dos triglicerídeos em adultos e crianças. Com um tratamento adequado, o risco de futuras complicações cardiovasculares é reduzido.

Crescimento: Uma criança saudável tem um crescimento normal. O crescimento deficiente ou excessivo pode ocorrer em função de alterações hormonais, nutricionais ou genéticas.

Diabetes: Se você tem excesso de peso, parentes com diabetes, hipertensão ou alterações de gordura no sangue, procure um endocrinologista. Você poder desenvolver diabetes! Mas se você bebe muita água, urina muito e perde peso pode estar diabético.

Distúrbios da Menstruação: Alterações do ciclo menstrual (falta de menstruação ou menstruação mais de uma vez ao mês) podem significar problemas hormonais. Por isso, necessitam de investigação e tratamento adequado.

Distúrbios da Puberdade: Crianças que desenvolvem precocemente pelos pubianos, odor axilar e desenvolvimento das mamas, apresentam distúrbios hormonais e necessitam avaliar a origem do problema. Os adolescentes que não desenvolvem essas características também necessitam de uma avaliação.

Doenças da Glândula Supra-Renal: Aumento de peso, estrias avermelhadas, pelos excessivos, pressão alta ou baixa, puberdade precoce, além do escurecimento da pele podem significar problemas na glândula supra-renal.

Doenças da Hipófise: Tumores da hipófise podem levar à presença de leite nas mamas, fora do período de amamentação, além de mudanças faciais, aumento do número do sapato, dores de cabeça e distúrbios da visão.

Excesso de Pelos: Mulheres com excesso de pelos na face (hirsutismo), acne ou amento da musculatura, podem estar com produção excessiva de hormônios masculinos.

Obesidade: A obesidade representa um risco para a saúde das crianças e dos adultos. O tratamento orientado pelo especialista evita uma série de complicações, como as cardiovasculares e as ortopédicas.

Osteoporose: Trata-se de uma doença endócrina. Dores nos ossos e fraturas frequentes podem significar enfraquecimento ósseo. Procure o seu endocrinologista. Ele pode diagnosticar e indicar o tratamento mais adequado.

Reposição Hormonal da Menopausa: A reposição hormonal é um tratamento eficaz, feito com hormônios iguais ao da própria mulher, para amenizar o desconforto e os riscos causados pela menopausa.

Tireoide: Nódulos ou aumento de volume do pescoço; nervosismo; insônia e alterações no ritmo intestinal; coração acelerado; perda ou ganho de peso;e excesso de frio ou calor podem revelar distúrbios da tireoide.

Importante na sua avaliação deve ser também como você se sente em relação ao tipo de paciente com os quais irá trabalhar, porque conforme a especialidade os perfis de pacientes são bastante diferentes. Isso é fundamental na sua escolha; lembre que estará fazendo uma escolha para 40 ou 50 anos de atividade profissional.

Sucesso

Mário Novais

 

Limitar o tempo de uso diário de redes sociais resulta em menor sintomas de Depressão

Limitar o tempo de uso diário de redes sociais resulta em menor sintomas de Depressão

Dada a amplitude de pesquisas de correlação que liga as mídias sociais

para um estado pior bem-estar, pesquisadores da Universidade de Pennsylvania realizaram um estudo experimental para investigar uma potencial relação de causa-efeito que as mídias sociais desempenham sobre o estado de bem-estar de seus usuários.

 

Os metodos utilizados foram distribuir aleatoriamente 143 estudantes de graduação em grupos  para limitar o uso do Facebook, Instagram e Snapchat a 10 minutos por aplicativo por dia, comparando a um controle em que se era permitido usar as mídias sociais de modo normal por três semanas.

 

O estudo utilizou 7 escalas diferentes para avaliar o nível de bem-estar dos participantes durante o experimento, que mensuravam os níveis de suporte social, medo de ser esquecido, solidão, ansiedade, depressão, autoestima, autonomia e auto aceitação.

Dentre esses parâmetros, o que teve maior significância no grupo alvo foi o medo de ser esquecido pelos amigos ao não usar frequentemente as redes sociais.

Em compensação, os pesquisadores descobriram que o grupo de uso limitado mostrou reduções significativas na solidão e depressão por três semanas em comparação com o grupo controle. Análises não revelaram diferenças significativas entre os dois grupos no apoio interpessoal, medo de perder, ansiedade, autoestima e bem-estar psicológico. No entanto, os pesquisadores observaram uma diminuição pequena, mas estatisticamente significativa para ambos os grupos, em relação ao medo de perder, bem como uma pequena diminuição na ansiedade em ambos os grupos. Os pesquisadores notaram que esses resultados sugerem um benefício do aumento do auto monitoramento.

Fonte: https://guilfordjournals.com/doi/10.1521/jscp.2018.37.10.751

Remuneração do Médico

Pergunta : Lucas (Universidade Federal do Pará)
Embora existam apontamentos e médias, as remunerações das especialidades ainda são algo que me deixa em dúvida. Se o senhor fosse fazer um ranking, que especialidades são as com melhores remunerações e quanto um profissional de qualquer uma delas deve esperar receber em cidades de médio porte?

Resposta :

A remuneração do profissional, de qualquer especialidade depende de uma série de fatores, tais como:

Especialidade, tempo de formado, cidade onde está trabalhando, círculo de relacionamentos do médico, resultados dos seus tratamentos, tamanho da cidade, concorrência local na especialidade e acima de tudo do marketing que utilizar para alavancar a carreira.

De um modo geral, as especialidades que permitem exames complementares, procedimentos diagnósticos ou terapêuticos e/ou cirurgias, permitem um melhor faturamento.

Por exemplo, enquanto uma consulta de clínica médica por plano de saúde, vai remunerar o profissional com cerca de 100,00, uma consulta de oftalmologia, que pode incluir exames diagnósticos (tonometria, ultrassonografia, microscopia especular, campo visual…) pode render mais ou menos 200,00.

Em linhas gerais, as especialidades mais bem remuneradas são:

Anestesiologia, Oftalmologia, Otorrrinolaringologia, Dermatologia, Cirurgia Plástica, Ortopedia, Neurocirurgia, Urologia, Gastroenterologia.

Por outro lado, se formos falar de serviços públicos, até que seja implantada a famosa “Carreira Médica de Estado”, os rendimentos são muito pequenos, a não ser os rendimentos de especialistas como Neurocirurgiões em cidades muito distantes, onde as secretarias de saúde pagam salários altíssimos para poder ter esses profissionais.

Sucesso

Mário Novais

Aumento mundial da Incidência de Asma pela Poluição do Ar

Aumento mundial da Incidência de Asma pela Poluição do Ar

A asma é a doença respiratória crônica mais prevalente no mundo, afetando cerca de 358 milhões de pessoas em 2015. Ambientes em que são encontrados altos índices de poluição aérea exacerbam crises de asma e também contribuem como fator de risco para desenvolver a mesma.

O estudo realizado pela Environmental Health Perspectives, divulgado em novembro de 2018, buscou estimar a relação entre o número de novos casos de asma que levaram o paciente a procurar emergências hospitalares e a concentração de Matéria Particulada Fina (PM 2.5), Ozônio e Dióxido de Nitrogênio no ar ambiente desses locais.

Foram utilizadas funções de impacto epidemiológico em saúde combinadas com dados descrevendo população, incidência e prevalência de asma basal e concentrações de poluentes.

Tias fatores de concentração-resposta para exacerbação e incidência de asma foram extraídos de metanálises de estudos epidemiológicos que combinaram múltiplos estudos individuais de diferentes países em estimativas de risco agrupadas, constituindo assim padrões de comparação para os novos resultados coletados.

Com isso, foi construido um novo conjunto de dados de taxas de visita a emergências nacionais e regionais entre as pessoas com asma usando dados de pesquisa publicados.

Os resultados estimaram que cerca de 9 a 23 milhões de casos de asma emergenciais podem ser atribuídos aos niveis elevados de Ozonio e PM 2.5, o que representa de 8 a 20% dos casos totais.

Esses achados estimam a magnitude da carga global de asma que poderia ser evitada pela redução da poluição do ar ambiente. Ou seja, a doença respiratória crônica mais prevalente do mundo poderia ter a incidência de casos agudos reduzida em 20% se a poluição aérea fosse controlada.

 

Fonte: https://ehp.niehs.nih.gov/doi/full/10.1289/EHP3766