Estudos – Widoctor

Olimpíada Brasileira de Medicina Interna

Olimpíada Brasileira de Medicina Interna

Estão abertas as inscrições para a II Olimpíada Brasileira de Medicina Interna do Conselho Federal de Medicina (CFM). A proposta é incentivar a pesquisa científica e a competição pelo conhecimento entre estudantes do sexto ano de graduação de medicina e residentes em clínica médica.

O candidato será submetido a prova escrita objetiva realizada por meio eletrônico no dia 29 de maio, às 20h. Serão oitenta questões testes, com quatro alternativas cada, nas áreas básicas de Medicina Interna. Para essas questões, apenas uma alternativa será considerada correta.

 

Os prêmios serão atribuídos a cada um dos melhores desempenhos por categoria (sexto anista, R1, R2, R3 de clínica médica). “O objetivo dessa competição é incentivar, valorizar de forma lúdica, o profissional que tem interesse em se capacitar ou que está em treinamento na área de medicina interna”, destaca a coordenadora-adjunta da Câmara Técnica do CFM, Maria do Patrocínio Nunes.

 

As olimpíadas são totalmente gratuitas. Os participantes irão receber certificado e os vencedores receberão ajuda de custo e passagens para receber certificado de vencedor em Brasília durante o IV Fórum de Clínica Médica do CFM, no dia 12 de julho de 2019.

 

Fonte: http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=28222:2019-05-14-13-17-56&catid=3

 

Inscrições/Edital: http://www.inscricoes.fmb.unesp.br/principal.asp

Exame de sangue pode ser utilizado para diagnosticar Sd. de Fadiga Crônica

Exame de sangue pode ser utilizado para diagnosticar Sd. de Fadiga Crônica

Dr. Ronald W. Davis, PhD, professor de bioquímica e genética e diretor do Stanford Genome Technology Center é o autor sênior de um artigo que descreve um exame de sangue que pode ser capaz de identificar a síndrome da fadiga crônica. Pessoas que sofrem com esta doença debilitante e muitas vezes desprezada podem em breve ter algo que vêm buscando há décadas, uma prova científica de sua doença.

“Muitas vezes, esta doença é categorizada como imaginária”, disse Ron Davis. Quando os indivíduos com a síndrome da fadiga crônica procuram ajuda de um médico, eles podem passar por uma série de testes laboratoriais que verificam as funções hepática, renal e cardíaca, bem como as contagens de células sanguíneas e imunológicas, tudo muito distante do diagnóstico a ser pensado. Estes pacientes retornam ao médico com resultados de exames normais e não recebem um olhar mais profundo.

Mas agora, Ron Davis, juntamente com Rahim Esfandyarpour, PhD e ex-associado de pesquisa de Stanford, e seus colegas da Escola de Medicina da Universidade de Stanford criaram um teste que identificou com sucesso os participantes de um estudo com a síndrome da fadiga crônica. O exame, que ainda está em fase de testes, é baseado em como as células do sistema imunológico de uma pessoa respondem ao estresse. Com amostras de sangue de 40 pessoas — 20 com síndrome da fadiga crônica e 20 sem a síndrome — o teste produziu resultados precisos, acenando com precisão todos os pacientes com síndrome da fadiga crônica e nenhum dos indivíduos saudáveis.

A plataforma de diagnóstico poderia até mesmo ajudar a identificar possíveis medicamentos para tratar a síndrome da fadiga crônica. Ao expor as amostras de sangue dos participantes a medicamentos e reexecutar o teste de diagnóstico, os cientistas poderiam ver se a droga melhorou a resposta das células imunológicas. A equipe já está usando a plataforma para rastrear possíveis medicações que eles esperam poder ajudar pessoas com a síndrome.

O diagnóstico da síndrome da fadiga crônica, quando efetivo, baseia-se em sintomas — exaustão, sensibilidade à luz e dor inexplicável, entre outras queixas — e ocorre somente depois que outras possibilidades de doença foram eliminadas. Ela é também conhecida como encefalomielite miálgica e designada pela sigla ME/CFS. Estima-se que 2 milhões de pessoas nos Estados Unidos tenham síndrome da fadiga crônica, mas isso é uma suposição aproximada, disse Davis, e o número de acometidos é provavelmente muito maior.

A abordagem, da qual Esfandyarpour liderou o desenvolvimento, emprega um “ensaio nanoeletrônico”, que é um teste que mede mudanças em quantidades minúsculas de energia como um representante para a saúde das células imunes e do plasma sanguíneo. A tecnologia de diagnóstico contém milhares de eletrodos que criam uma corrente elétrica, bem como câmaras para armazenar amostras de sangue simplificadas compostas de células imunes e plasma. Dentro das câmaras, as células do sistema imunológico e o plasma interferem na corrente, alterando seu fluxo de uma ponta a outra. A mudança na atividade elétrica está diretamente correlacionada com a saúde da amostra.

A ideia é enfatizar as amostras de pacientes saudáveis e doentes usando sal e, em seguida, comparar como cada amostra afeta o fluxo da corrente elétrica. Mudanças na corrente indicam mudanças na célula: quanto maior a mudança na corrente, maior a mudança no nível celular. Uma grande mudança é um sinal de que as células e o plasmaestão se debatendo sob estresse e incapazes de processá-lo adequadamente. Todas as amostras de sangue de pacientes com ME/CFS criaram um claro aumento no teste, enquanto as amostras de controles saudáveis retornaram dados que estavam relativamente equilibrados.

“Não sabemos exatamente porque as células e o plasma estão agindo dessa forma, ou até mesmo o que estão fazendo”, disse Davis. “Mas há evidências científicas de que essa doença não é uma invenção da mente de um paciente. Os pesquisadores veem claramente uma diferença na maneira como as células imunitárias saudáveis e as com síndromeda fadiga crônica processam o estresse. Por isso, Esfandyarpour e Davis estão expandindo seu trabalho para confirmar as descobertas em um estudo mais amplo.

Original: https://www.news.med.br/p/medical-journal/1337613/pnas+exame+de+sangue+para+diagnostico+da+sindrome+da+fadiga+cronica+esta+sendo+estudado.htm

PDI: O que é o Plano de Desenvolvimento Individual e como pode ser usado na vida pessoal e carreira?

PDI: O que é o Plano de Desenvolvimento Individual e como pode ser usado na vida pessoal e carreira?

E se fosse possível montar um roteiro para que você saia de onde está agora e chegue aonde gostaria de estar? Entenda como funciona o PDI e se inspire para traçar o mapa que vai te ajudar a alcançar seus objetivos.

Sabe aquela promoção que você está de olho há algum tempo mas sente que ainda não está preparado para chegar lá? Ou aquele projeto que você sempre quis tocar mas ainda não tem maturidade para tirar do papel? O PDI, sigla para Plano de Desenvolvimento Individual, pode ser um bom jeito de se desenvolver e se preparar para esses desafios.

Antes de mais nada, o PDI é um compromisso com o seu desenvolvimento. Trata-se de um plano que sistematiza diversas ações a serem tomadas para que você conquiste certo objetivo por meio do desenvolvimento pessoal e profissional. Em outras palavras, é um roteiro para que você saia de onde está agora e chegue onde gostaria de estar. Ou, ainda, torne-se quem gostaria de ser.

Como é um documento com metas e prazos, o Plano de Desenvolvimento Individual contribui para que você não perca o foco. Além disso, para que dê passos estrategicamente pensados e não se deixe levar por escolhas aleatórias.

Como funciona um Plano de Desenvolvimento Individual?

Segundo Stephanie Crispino, coach responsável pelo curso Autoconhecimento Na Prática, promovido pela Fundação Estudar, é uma prática bastante comum nas empresas. Usada, principalmente, para monitorar o desenvolvimento das competências de cada funcionário entre os ciclos de avaliação. Nesse caso, o PIano de Desenvolvimento Individual funciona como um plano de evolução que indica o caminho para que o funcionário suba cada novo degrau na escalada de carreira.

“Embora seja normalmente associado às empresas, é importante saber que o PDI também tem uma aplicação supraorganizacional. No fundo, está relacionado com o que você quer desenvolver de competências e como vai fazer isso”, ela explica. Assim, o PDI também pode ser uma técnica de autodesenvolvimento para os seus próprios objetivos, independente do seu gestor ou da sua função na empresa em que trabalha.

Como fazer um PDI?

Normalmente, esses planos estão atrelados a um objetivo específico. Seja uma promoção, um projeto, uma mudança de carreira ou até mesmo objetivos pessoais. Se nas empresas esse fim deve ser alinhado com seu gestor, no seu Plano de Desenvolvimento Individual pessoal a escolha é sua.

Com o objetivo em mente, o primeiro passo é entender quais são as competências que você precisa desenvolver para chegar lá. “Ao contrário do que muita gente pensa, não são só os pontos fracos que devem ser desenvolvidos, mas também os pontos fortes, que são os seus diferenciais”, explica Stephanie.

Então, a estratégia deve ser focar na construção de ativos a partir de seus pontos fortes e agir também sobre os pontos fracos que tem te impedido de alcançar seu objetivo.

Escolher habilidades pode ser um desafio, porém é uma das etapas mais importantes na criação de um Plano de Desenvolvimento Individual. “Não dá para desenvolver tudo do dia para a noite, é preciso escolher e priorizar as competências”, ela diz. Ainda acrescenta que a escolha errada das competências é o principal motivo por trás de PDIs que dão errado.

Mas, então, como realizar essa escolha e priorização? Stephanie sugere três critérios: impacto (o quanto essa habilidade contribui para o objetivo final), urgência (uma questão de timing, ou seja, o quanto essa habilidade é necessária agora), e também desejo (o quanto você quer desenvolver essa competência). “Se você não leva em conta o desejo, acaba atrapalhando na hora de fazer as ações e levar o PDI a sério. Fica um plano bonito mas que nunca sai do papel”, conta.

Os PDIs podem ser de curto, médio ou longo prazo e são planejados para durar, normalmente, de três meses a um ano. “Não pode ser muito curto, pois precisa envolver tempo suficiente para entrar na sua rotina. Mas também não pode ser muito longo, para que você consiga avaliar os resultados de tempos e tempos”, diz. “Na hora de escolher quais competências você vai desenvolver, foque nas próprias habilidades, não em coisas para fazer. Deixe as tarefas para o momento da ação.”

Desafios

Depois que as competências foram determinadas, como desenvolvê-las? Para essa etapa do “como”, Stephanie propõe que você determine alguns desafios relacionados a cada competência.

“O desafio tem que te tirar da sua zona de conforto e te obrigar a aplicar a habilidade que você quer desenvolver”, ela explica. Assim, o desafio não envolve atitudes como ler um livro, fazer um curso ou falar com pessoas mais experientes – tudo isso servirá apenas de suporte. Como alguém que queira desenvolver a oratória pode se desafiar a dar uma palestra ou apresentar resultados em uma grande reunião.

Na hora de estabelecer o desafio, reflita: “Qual seria a coisa mais desafiadora que eu poderia fazer sendo quem eu sou hoje?”. Evite situações irreais ou que te desviem do trabalho. Também busque associar os desafios a coisas que você precisaria fazer cedo ou tarde, como é o caso da reunião.

Metas e prazos

 

Além disso, outro ponto importante do Plano de Desenvolvimento Individual é definir metas para esses desafios. É uma forma de medir se você cumpriu ou não o que se propôs a fazer e em que medida. Assim, é necessário entender quais são as métricas adequadas para cada tipo de situação. No exemplo anterior, a meta poderia ser ter 30 pessoas na audiência. Uma meta maior também pode ser quebrada em metas menores, para dar ritmo ao seu desenvolvimento.

Ainda assim, não basta só saber “o que” e “como” – também é preciso definir o “quando”. Por isso é essencial que você tenha deadlines realistas para cumprir seus desafios.

Agora, com o seu PDI feito, é importante agir e correr atrás da realização dos seus desafios. “Se nenhuma ação for tomada, o plano não serve para nada e as horas ou dias que você gastou para criá-lo viram tempo perdido”, explica Stephanie. Por fim, ela adianta que o PDI não precisa ser estático. “Se ao longo do processo surgir a possibilidade de um novo desafio, você pode incluí-lo no plano. À medida em que você vai evoluindo, é comum que seu plano mereça alguns incrementos”.

Exemplo de PDI

Ser fluente em espanhol (dezembro 2018)

A desenvolver:

  1. Vocabulário
  • Ler livros de literatura em espanhol buscando palavras desconhecidas no dicionário e coletando-as em um caderno
    (um por mês / julho 2018 – outubro 2018)
  • Estudar palavras novas aprendidas
    (diariamente / julho 2018 – novembro 2018)
  1. Fala
  • Conversar com colegas em espanhol e pedir feedback
    (uma pessoa por semana / julho 2018 – dezembro 2018)
  • Assistir filmes em espanhol sem legenda
    (dois por semana / julho 2018 – dezembro 2018)
  • Gravar vídeos para Youtube em espanhol
    (dois por mês / setembro 2018 – dezembro 2018)
  • Ministrar oficina em espanhol para equipe
    (ao menos 20 pessoas / dezembro 2018)

E depois?

Ao final do Plano de Desenvolvimento Individual, você não deve pensar simplesmente se ele foi cumprido ou não. Porque o importante é o aprendizado dessa experiência e a reflexão sobre como ela ocorreu. O que deu errado e o que deu certo? Quais competências foram desenvolvidas? Se o objetivo não foi atingido, será que o problema foi na definição das competências? Ou, até, na execução do PDI?

Aqui, vale lembrar que “competência” vai além do conhecimento em si. É uma união entre conhecimentohabilidades (conhecimento aplicado de forma prática) e atitude (quando as habilidades se transformam em atitudes incorporadas em sua rotina). Dessa forma, o PDI é uma das maneiras mais eficazes de criar novos hábitos. E você, já sabe que hábitos quer mudar?

Fonte:

Na Prática – Fundação Estudar

Pesquisas com anticorpo que atua como Cavalo de Troia mostram novos resultados positivos

Pesquisas com anticorpo que atua como Cavalo de Troia mostram novos resultados positivos

Um anticorpo letal é a mais recente arma anunciada como parte de um amplo espectro de tratamentos contra múltiplas formas de câncer. Apelidado de “cavalo de troia”, a nova droga provou ser digna de seguir adiante na sequência de testes clínicos a fim de ser testada em uma variedade maior de pacientes.

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres, e do Royal Marsden NHS Foundation Trust testaram o novo tratamento em um ensaio clínico envolvendo 147 pacientes para avaliar seus potenciais benefícios e riscos de efeitos colaterais.

Chamado de tisotumab vedotin, ou pela abreviação TV, a substância é composta por um anticorpo monoclonal e um componente citotóxico que pode danificar fatalmente as células.

O anticorpo, se preferir, é um espetacular “cavalo de troia” batendo à porta do inimigo. Ele procura os sinalizadores das células presentes nas membranas, os chamados tubos conectores de entrada e saída de substâncias.

Embora todos os tipos de células saudáveis ​​tenham esse fator, uma ampla variedade de tumores o utiliza como uma maneira de crescer fora de controle, tornando-se um alvo capaz de atrair a arma química citotóxica de busca e destruição.

Neste caso, o componente encarregado deste trabalho assassino é o monometil auristatina E, uma molécula que impede as células de se reproduzirem.

“O que é muito interessante sobre esse tratamento é que seu mecanismo de ação é completamente novo — ele age como um ‘cavalo de troia’ para infiltrar-se nas células cancerosas e matá-las por dentro”diz o oncologista Johann de Bono, do Instituto de Pesquisa do Câncer“Nosso estudo inicial mostra que o procedimento tem potencial para tratar uma grande variedade de cânceres [câncer do colo de útero, câncer de bexiga, câncer de ovários, câncer de endométrio, câncer de esôfago e câncer de pulmão], e, particularmente, alguns com taxas de sobrevivência muito baixas.”

Os pacientes com câncer de bexiga tiveram a mais impressionante resposta ao tratamento. Para esse tipo de câncer, 27 por cento dos voluntários que participaram dos testes viram a doença se estabilizar. No outro extremo estava o câncer de endométrio, com um modesto registro de 7% dos indivíduos apresentando melhora.

“É animador ver o potencial mostrado pela tisotumab vedotin em vários tipos de cânceres difíceis de tratar”diz o diretor executivo do Instituto de Pesquisa do Câncer, Paul Workman“Estou ansioso para ver o progresso nos testes clínicos e espero que possa beneficiar os pacientes que atualmente estão sem opções de tratamento”.

O progresso está acontecendo aos poucos. Os ensaios clínicos de fase I começaram em 2013 com o teste da segurança da tisotumab vedotin em apenas 27 pacientes. Um ano e meio depois, surgiram sérios problemas de saúde nos pacientes, incluindo sinais de diabetes do tipo 2 (grave), inflamação da mucosa e febre. Doses mais baixas do composto diminuíram os efeitos colaterais mais preocupantes, embora o tratamento ainda esteja longe de ser livre de problemas, com hemorragias nasais, náusea e fadiga entre as queixas comuns.

Os testes de fase I deram lugar aos de fase II, que mostrou que a tisotumab vedotin pode fazer uma grande diferença para muitos pacientes com cânceres para os quais poucas opções de tratamento estão disponíveis.

“A tisotumab vedotin tem efeitos colaterais gerenciáveis, e vimos algumas boas respostas nos pacientes em nosso estudo, todos com câncer em estágio avançado que foram tratados com outras drogas e que ficaram sem outras opções”diz de Bono.

O próximo passo é expandir os testes da fase II para incluir cânceres do intestino e de pâncreas.

É importante notar que isso não é uma panacéia ou o fim do câncer como conhecemos. Mas quando tantos tratamentos que pareciam promissores não conseguem ultrapassar a linha de partida, é empolgante ver uma nova droga que oferece boas perspectivas fazer a diferença para uma ampla variedade de cânceres.

Se tudo correr bem, podemos esperar uma terceira fase de testes em vários anos, onde a eficácia e a segurança da droga são comparadas com tratamentos similares.

Isso tudo leva tempo e consome dinheiro, por isso não podemos esperar que até que  o TV fique disponível ainda vai levar algum tempo (se esse for o caso). Mas o sucesso demonstrado até aqui copiada de uma antiga estratégia militar aplicada para um medicamento anticancerígeno é um bom augúrio para tratamentos desse tipo.

“Precisamos desesperadamente de tratamentos inovadores como este, que podem atacar o câncer de novas maneiras e permanecem eficazes mesmo contra tumores que se tornaram resistentes às terapias padrão”, diz Workman.

Original: https://ciencianautas.com/novo-medicamento-advindo-de-antiga-estrategia-militar-trata-com-sucesso-seis-tipos-de-canceres-altamente-letais/?fbclid=IwAR2YPJ39OuWZc9hSVZs_6Jv_IGRx3izg7Sn7IKxpU_6uUanWz_jfFnoVH7I

Referência:

  1. BONO, Johann S. et al. “Tisotumab vedotin in patients with advanced or metastatic solid tumours (InnovaTV 201): a first-in-human, multicentre, phase 1–2 trial”; The Lancet Oncology, 2019.

Quer aprender algo novo? Pesquisa de Yale revela quando o cérebro é mais eficiente

Quer aprender algo novo? Pesquisa de Yale revela quando o cérebro é mais eficiente

A incerteza pode ser muito estressante. Mas estar fora da sua zona de conforto e não saber o que vai acontecer envia sinais para que o cérebro comece a aprender. Pelo menos é o que mostra um novo estudo feito por pesquisadores de Yale.

“Nós só aprendemos quando há incerteza, e isso é uma coisa boa”, explica Daeyeol Lee, professor de neurociência, psicologia e psiquiatria de Yale. “Não queremos ficar aprendendo o tempo todo. Se o cérebro aprendesse sempre, nós provavelmente desistiríamos ao experimentar o fracasso, não persistiríamos.” Ou seja: situações instáveis podem ser desconfortáveis, mas são ajudam seu cérebro trabalhar à todo vapor

Estabilidade “desliga” o cérebro
Se você quiser maximizar o aprendizado, deve fazer coisas difíceis em 70% do seu tempo, aconselha a Inc. Se você não tem algum nível de estresse sobre o resultado de seu trabalho, seu cérebro ‘desliga’ o centro de aprendizado.

O estudo observou um grupo de macacos, que deveriam apertar botões de cores diferentes para receber uma recompensa. Mas não era sempre que o macaco recebia o petisco. Alguns botões tinham taxas estáveis – de 20% e 80%. Outros eram mais imprevisíveis e a frequência variava.

Os cientistas então mediram a atividade cerebral dos macacos. Quando eles conseguiam prever com que frequência receberiam um petisco, as regiões do cérebro associadas ao aprendizado se desligavam. Quando eles não sabiam o que aconteceria, essas áreas ficavam mais ativas.

Quando você descobre a melhor forma de se comportar em um ambiente, aprender novas técnicas tem pouco sentido. O que não é um problema se você está tentando descobrir quantos minutos precisa para cozinhar um ovo. Mas em outras áreas da vida, continuar aprendendo pode trazer vantagens.

“Talvez a descoberta mais importante do estudo seja a de que as capacidades do cérebro não são ‘fixas’, mas elas se adaptam conforme a estabilidade do ambiente. Quando você entra em um ambiente novo e volátil, isso pode aumentar a tendência do cérebro de absorver novas informações”, resume Lee.

Matéria originalmente publicada em Época Negócios

O que é inteligência emocional e como ela pode te ajudar a ser um profissional melhor

O que é inteligência emocional e como ela pode te ajudar a ser um profissional melhor

A inteligência emocional é influenciada por uma combinação de traços de personalidade. Níveis mais altos dela são associados com inúmeros benefícios, inclusive relacionados à carreira. Por isso, sua medida, o Quociente Emocional (QE), tem sido considerado como um bom radar para contratações em processos de recrutamento. Alguns especialistas até o colocam à frente do QI (Quociente de Inteligência) em questão da eficiência para determinar um bom profissional.

Atualmente um termo bastante utilizado, “inteligência emocional” foi aplicado pela primeira vez em documentos científicos no ano de 1966, em artigo do psicólogo americano Hanskare Leuner. Porém, sua concepção só foi aprofundada em 1989, primeiro pelo psiquiatra infantil Stanley Greenspan e, posteriormente, em 1990, pelos psicólogos Peter Salovey e John Mayer.

 

Em sua definição, a dupla Salovey e Mayer explica que IE é “a capacidade de perceber e exprimir a emoção, assimilá-la ao pensamento, compreender e raciocinar com ela, e saber regulá-la em si próprio e nos outros”. Os dois psicólogos dividiram-na em quatro domínios básicos:

  • Percepção das emoções: a precisão com que uma pessoa identifica as emoções.
  • Raciocínio por meio das emoções: empregar as informações emocionais para facilitar o raciocínio
  • Entendimento das emoções: captar variações emocionais nem sempre evidentes e compreender a fundo as emoções (mais sofisticado do que o “identificar” do primeiro domínio)
  • Gerenciamento das emoções: aptidão para lidar com os próprios sentimentos

Daniel Goleman e a inteligência emocional

Apesar de não ter introduzido o conceito de IE, Daniel Goleman, psicólogo, escritor e PhD da Universidade de Harvard, é o grande responsável por popularizá-lo. Em 1995, quando atuava como jornalista científico do New York Times, lançou o livro “Inteligência Emocional”, em que traz à tona o embate entre o QE e o QI (Quociente de Inteligência).

Com mais de 5 milhões de cópias vendidas no mundo todo e tradução para 40 idiomas, o best-seller impulsionou a atenção das pessoas pelo tema, tornando o conceito acessível a vários segmentos da sociedade. A partir dele, a mídia e outras entidades acadêmicas começaram a explorar ainda mais o assunto.

Goleman descreve a inteligência emocional como a capacidade de uma pessoa de gerenciar seus sentimentos, de modo que eles sejam expressos de maneira apropriada e eficaz. Segundo o psicólogo, o controle das emoções é essencial para o desenvolvimento da inteligência de um indivíduo. Seu modelo sobre a IE foca em uma série de competências e habilidades que, de acordo com ele, propiciam melhores desempenhos profissionais – inclusive, como líder.

 

Fundamentos da IE

O modelo de Goleman posiciona a IE como o conjunto de competências e habilidades fundamentadas em cinco pilares:

  • Autoconsciência – capacidade de reconhecer as próprias emoções
  • Autorregulação – capacidade de lidar com as próprias emoções
  • Automotivação – capacidade de se motivar e de se manter motivado
  • Empatia – capacidade de enxergar as situações pela perspectiva dos outros
  • Habilidades sociais – conjunto de capacidades envolvidas na interação social

Além disso, ele identifica 12 domínios como sendo os principais para desenvolvê-la:

  1. Autoconhecimentoemocional
  2. Autocontrole emocional
  3. Adaptabilidade
  4. Orientação para realização
  5. Perspectiva positiva
  6. Empatia
  7. Consciência organizacional
  8. Influência
  9. Coache mentoria
  10. Administração de conflitos
  11. Trabalho em equipe
  12. Liderança inspiradora

Benefícios da IE, segundo a ciência

Há extensa pesquisa que fundamenta os benefícios de ter um nível alto de IE, inclusive relacionando-a à traços de generosidade. Um estudo mostrou que as pessoas com maior conhecimento sobre regulação emocional têm mais propensão a pensarem no “bem social” quando em face de um dilema.

Além disso, a IE influencia o sentimento de bem-estar. Pesquisadores descobriram, por exemplo, que existem relações inversas entre a capacidade de controle emocional e estresse no ambiente de trabalho.

Ter habilidade de identificar e gerenciar as emoções próprias e dos outros são atributos valiosos também para alcançar sucesso profissional, segundo pesquisadores de Harvard. O estudo, de mais de 20 anos, ainda mostrou que esta habilidade caracteriza mais êxito na vida social.

Empreendedores com bons níveis de IE também são mais resilientes quando enfrentam obstáculos e lidam melhor com seus funcionários e clientes.

E os profissionais são melhores líderes. Uma análise que compreendeu diversos documentos científicos revelou que há uma relação positiva clara entre a IE e a eficácia da liderança nas empresas.

Parte da “automotivação” (um dos pilares da IE, segundo Goleman), a capacidade de ter perspectivas positivas – ou “otimismo” – está associada com maior habilidade de venda e maior taxa de sucesso acadêmico.

Para os estudiosos, a diferença primordial entre os pessimistas e otimistas é que, quando falham, os otimistas tendem a fazer atribuições causais externas, específicas e temporárias, enquanto os outros fazem atribuições internas e permanentes. Ou seja, após contratempos, possuem mais facilidade para se recompor e agir em prol de resultados.

Inteligência emocional tem tanto a ver com saber quando e como expressar emoções quanto com o controle delas – e esta capacidade é valiosa. Pesquisadores da Universidade de Yale descobriram que demonstrar emoções positivas pode beneficiar trabalhos em equipe. De acordo com eles, elas levaram à melhora na cooperação e na performance do grupo, além de maior preocupação com o que é justo.

Embora existam aspectos permanentes que determinam o temperamento e a personalidade – herança genética, por exemplo -, Goleman defende que muitos dos circuitos cerebrais da mente humana são maleáveis e podem ser trabalhados, impactando o nível de inteligência emocional.

Revisar mentalmente as habilidades que ela envolve e perceber em quais precisa trabalhar é o primeiro passo para aumentá-la. O psicólogo defende que o feedback externo também é um ótimo medidor para se orientar e desenvolver a IE.

Fonte:

Na Prática – Fundação Estudar.

Pesquisa mostra resultados positivos de novo esquema de tratamento para Tuberculose resistente

Pesquisa mostra resultados positivos de novo esquema de tratamento para Tuberculose resistente

Em artigo publicado na New England Journal of Medicine, foi mostrado que estudos de coorte em Bangladesh tiveram taxas de cura promissoras em pacientes com Tuberculose multidroga resistente, sendo utilizados medicamentos por um tempo menor do que o recomendado pela OMS em 2011.

A doença afeta quase 500.000 novas pessoas em todo o mundo a cada ano e é consideravelmente mais difícil de tratar do que a tuberculose suscetível as drogas convencionais (esquema RIPE: Rifampicina, Isoniazida, Pirazinamida e Etanbutol) por conta do seu extenso tempo de tratamento, 20 meses de acordo com a recomendação da OMS.

Afim de procurar alternativas para melhorar os índices de adesão ao tratamento, e consequentemente cura para a doença, um estudo de coorte randomizado fase 3 foi encomendado para comparar um regime de tratamento mais curto em relação ao tratamento longo vigente.

Os pacientes analisados eram portadores de Tuberculose resistente a rifampicina, mas suscetíveis a fluroquinolonas e aminoglicosídeos

Foram utilizados 424 pacientes no total, sendo 383 o grupo alvo e os restantes, o grupo controle. No grupo que seguiu o tratamento de longa duração recomendado pela OMS (20 meses de tratamento), o percentual de cura foi de 79,8%. Enquanto o grupo que utilizou o tratamento alternativo (11 meses), o percentual de cura foi de 18,8%.

Desse modo, os pesquisadores mostraram que o tratamento em regime curto obtinha uma taxa de cura muito semelhante ao tratamento de regime longo, com um índice de segurança também semelhante, sendo assim uma alternativa viável de tratamento.

“Embora os resultados deste estudo sejam encorajadores, pesquisas adicionais continuam sendo essenciais para encontrar um regime curto e simples para a tuberculose multirresistente, que resulte em resultados de eficácia e segurança semelhantes aos da tuberculose suscetível a drogas”, finalizam os autores.

 

Fonte: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1811867?query=featured_home

Pesquisadores brasileiros identificam bactérias que facilitam diagnóstico de câncer intestinal

Pesquisadores brasileiros identificam bactérias que facilitam diagnóstico de câncer intestinal

Pesquisadores brasileiros publicaram nesta segunda-feira (1º), na revista científica “Nature”, os resultados de um estudo que pode ajudar no diagnóstico precoce do câncer de intestino, o terceiro mais comum no mundo e no Brasil.

Em conjunto com especialistas da Universidade de Trento, na Itália, pesquisadores do hospital A.C Camargo e da Universidade de São Paulo (USP) conseguiram identificar um conjunto de bactérias que servem como “marcadores” em um teste para o diagnóstico da doença.

No estudo, os pesquisadores analisaram o material genético em amostras extraídas das fezes de 969 pessoas com e sem câncer. Foram usadas amostras de populações da Alemanha, França, Itália, China, Japão, Canadá e Estados Unidos.

Eles descobriram 16 micro-organismos que só estão presentes na microbiota intestinal ou fecal do intestino de pessoas com câncer intestinal. A expectativa dos pesquisadores é que a capacidade de verificar com testes se esses micro-organismos estão no organismo dos pacientes ajude a identificar mais facilmente indivíduos com este tipo de câncer.

O biólogo Andrew Thomas, um dos participantes da pesquisa, explica que descoberta pode ajudar o trabalho de oncologistas.

“Esse estudo mostra que a microbiota de fezes é um indicador forte para a presença do câncer colorretal, independentemente da população sendo estudada ou da dieta das pessoas. Com isso, poderemos empregar testes que utilizam a microbiota fecal em conjunto com o teste do sangue oculto (feito para verificar a presença de sangue nas fezes) para obter detecções mais sensíveis e específicas, inclusive nos estágios iniciais da doença”, diz Thomas.

 

Bactéria causadora ou associada?

Segundo os pesquisadores, no caso do câncer de intestino, não era claro qual o papel ou a relação que os micro-organismos da flora intestinal tinham com a doença, enquanto que já era conhecido que o câncer de estômago só pode ser causado por uma única espécie bacteriana, a H. pylori.

O biólogo explica que ainda não é possível afirmar, com base no estudo, que uma ou mais bactérias específicas causem o câncer intestinal. Entretanto, a pesquisa abre possibilidade para novos estudos que investiguem se algumas dietas podem estar associadas ao desenvolvimento da doença.

“Um dos achados do nosso estudo foi o aumento de uma enzima microbiana que degrada a colina em pacientes com câncer intestinal. A colina é um nutriente presente na dieta (em carne vermelha e ovos), que ao ser degradada libera acetaldeído, um composto altamente carcinogênico, e trimetil-amina (TMA), que já foi fortemente associado a doenças cardiovasculares como a aterosclerose”, explica.

Ainda segundo o biólogo, o alto consumo de carne vermelha já foi associado a um maior risco de câncer colorretal, e o estudo atual abre um caminho para que essa interligação entre dieta, microbiota e o câncer colorretal seja confirmada.

 

Base heterogênea

Segundo o estudo, a identificação destes micro-organismos com dados de diferentes regiões do mundo pode funcionar como uma base de dados heterogêneos e importante para o diagnóstico e tratamento dos pacientes com câncer.

Além disso, pacientes que sofrem com doença de Crohn e retocolite ulcerativa também se beneficiariam, já que ambas não têm cura, mas podem ser controladas a partir de um diagnóstico precoce.

Fonte:

https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/04/01/pesquisadores-brasileiros-identificam-bacterias-que-facilitam-diagnostico-de-cancer-intestinal.ghtml

Pesquisa da UFRJ mostra que vacina contra Febre Amarela pode ser efetiva contra Zika

Pesquisa da UFRJ mostra que vacina contra Febre Amarela pode ser efetiva contra Zika

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Fundação Oswaldo Cruz publicaram online um trabalho em que mostram que a vacina contra a febre amarela protege camundongos do vírus Zika.

O vírus Zika (ZIKV) surgiu como um importante agente de doenças infecciosas no Brasil em 2016. A infecção geralmente leva a sintomas leves, mas distúrbios neurológicos congênitos graves e síndrome de Guillain-Barré foram relatados após a exposição ao vírus. O desenvolvimento de uma vacina eficaz contra o ZIKV é uma prioridade de saúde pública, incentivando os estudos pré-clínicos e clínicos de diferentes estratégias vacinais.

Neste trabalho, pesquisadores brasileiros descreveram o efeito protetor de uma vacina atenuada contra a febre amarela já licenciada (17DD) em camundongos geneticamente modificados para desativar o receptor de interferon do tipo I (A129) e camundongos imunocompetentes (BALB/c) infectados com ZIKV.

A vacinação contra o vírus da febre amarela resulta em proteção robusta contra o ZIKV, com diminuição da mortalidade nos camundongos A129, redução da carga viral cerebral em todos os camundongos e prevenção da perda de peso nos camundongos BALB/c. Apesar da limitação da vacina contra a febre amarela (17DD) para elicitar a produção de anticorpos e a atividade neutralizante contra o ZIKV, os estudiosos descobriram que a imunização contra a febre amarela evitou o desenvolvimento de comprometimento neurológico induzido pela inoculação do vírus intracerebral em adultos.

Embora tenham utilizado duas doses de vacina no presente protocolo, uma dose única foi protetora, reduzindo a carga viral cerebral. Diferentes modelos de vacina contra zika vírus foram testados, no entanto, este trabalho mostra que uma vacina eficiente e certificada, já disponível para uso há várias décadas, protege efetivamente camundongos contra a infecção pelo zika vírus.

Esses achados abrem a possibilidade de usar uma vacina disponível e barata para uma imunização em larga escala no caso de um surto causado pelo vírus Zika.

 

Original: https://www.news.med.br/p/saude/1336013/vacina+contra+febre+amarela+protege+camundongos+contra+infeccao+pelo+virus+zika+publicacao+de+pesquisadores+da+ufrj+e+da+fundacao+oswaldo+cruz.htm

Fonte:

https://www.biorxiv.org/content/10.1101/587444v1v

Cigarros eletrônicos auxiliam a parar de fumar, conclui artigo divulgado pela New England Journal of Medicine

Cigarros eletrônicos auxiliam a parar de fumar, conclui artigo divulgado pela New England Journal of Medicine

Um estudo recente sugere que os cigarros eletrônicos são mais eficazes para a cessação do tabagismo do que a terapia de reposição de nicotina.

Os 886 participantes que frequentavam serviços para ajudar a parar de fumar do UK National Health Service, no Reino Unido, foram aleatoriamente designados para receber durante 3 meses ou produtos de reposição de nicotina da sua preferência ou um pacote inicial de cigarros eletrônicos (um e-cigarette recarregável de segunda geração). Ambos os grupos receberam apoio comportamental semanal e individual por pelo menos 4 semanas.

A taxa de abstinência de um ano, que foi validada bioquimicamente, foi de 18,0% no grupo que usou cigarros eletrônicos (e-cigarettes) em comparação com 9,9% no grupo de reposição de nicotina. Entre aqueles que pararam, 80% dos participantes do grupo e-cigarettes versus 9% dos que estavam no grupo de reposição de nicotina continuaram a usar os produtos de nicotina.

No geral, a irritação da garganta ou da boca foi relatada com mais frequência no grupo de cigarro eletrônico (65,3% versus 51,2% no grupo de reposição de nicotina) e náusea com mais frequência no grupo de reposição de nicotina (37,9% versus 31,3% no grupo e-cigarette). O grupo e-cigarette relatou maiores declínios na incidência de tosse e produção de catarro desde o início até 52 semanas do que o grupo de reposição de nicotina. Não houve diferenças significativas entre os grupos quanto à incidência de sibilos ou falta de ar.

Embora o uso prolongado de cigarros eletrônicos possa apresentar danos ao organismo, também pode prevenir a recaída ao tabagismo, escreveram os autores.

Original: https://www.news.med.br/p/medical-journal/1336073/cigarros+eletronicos+ajudam+a+parar+de+fumar+segundo+artigo+do+nejm.htm