Como passar no USMLE step 2 CS

Pergunta (Dani):

Oi Vitor, tudo bem?

Estou estudando pro step2 clinical skills e queria saber se vc pode partilhar comigo a tua experiência…

-Em quanto tempo vc se preparou e por onde estudou?

-Vc treinou com alguém fingindo ser o paciente?

-Como é o teu inglês?  Vc sentiu dificuldade pra conversar com os pacientes?

 -Achou o teste difícil?

Ler mais

Quando Começar a Estudar para o Step 1

Pergunta (Natália):

Oi Vitor!

Em primeiro lugar, muito obrigada pela resposta! Foi bem no sentido do que eu estava pensando mesmo, o que me deixou contente. 

E, se me permite, eu gostaria de te fazer mais uma pergunta!

Pretendo fazer a prova no final do terceiro ano, porque aqui temos a maior parte da patologia durante o terceiro, ainda, e já vi que grande parte do Step 1 é patologia. Eu cheguei a comprar o First Aid para o Step 1, e já o folheei diversas vezes. Mas, honestamente, não sentei para estudar nele, até porque não vi muita coisa ainda. 

Ler mais

É mais difícil um estrangeiro passar nos EUA?

Pergunta (Emmily):

Olá Vítor,

 Li o seu posto sobre residência médica nos Estados Unidos e querida tirar uma dúvida, se possível. Eu já sei bastante sobre o processo, leio vários blogs, participo de comunidades, mas queria saber algo. Bom, é pretendo ser neurocirurgiã. Por querer residência em cirurgia e não clínica, é mais difícil um estrangeiro conseguir entrar, ou são as mesmas chances? 

                                                                             Obrigada desde já 🙂

 

Ler mais

Planejamento do cúrriculo – Residência EUA

Planejamento do cúrriculo – Residência EUA

Pergunta: Natália

Olá Vitor, tudo bem?

Já há um tempo venho acompanhando suas postagens no Widoctor sobre residência nos EUA e achei muito úteis e completas as informações que você colocou.

Estou ainda no primeiro ano de Medicina na USP Ribeirão, mas desde já penso seriamente em fazer residência por lá… E apesar de não querer me afobar, acredito que se me planejar desde agora, direcionando esforços para este objetivo, posso fazer as coisas mais tranquilamente, quando for chegando o momento de realmente lidar com isso, para o fim da graduação.

Algumas ideias sobre isso são fazer os steps no decorrer do curso, além de fazer estágios por lá, a partir do quarto ano, quando já tiver mais noção de prática clínica. Atualmente, tenho duas perguntas para ti:

– em relação a currículo e atividades extra-curriculares: entendo que tenha que me destacar, em termos de desempenho acadêmico, sem contar a pesquisa, na qual estou me engajando desde agora. Mas e além disso? Atividades extra-curriculares são relevantes? Se sim, que tipo de atividade? Centro acadêmicos, programas de educação tutorial, monitorias? Sei que é muito comum que eles façam trabalho voluntário, mas e se este não for apenas relacionado diretamente à faculdade, como colocar isso no currículo?

– como conseguir esses estágios: aqui na faculdade, no 5º ou 6º ano, existe uma disciplina de estágio internacional, que conta créditos. Mas e antes disso? Você tem dicas de como posso encontrá-los, se uma procura individual é mais complicada, se devo buscar através de professores?

Enfim, me desculpe a grande quantidade de perguntas e a extensão do texto! Agradeço desde já sua atenção e paciência 🙂

Grande abraço,

Natália

Resposta:

Olá Natália , obrigado pelos elogios. Fico feliz de estar ajudando um pouco contanto a experiência que eu tive.

As suas perguntas são muito boas. Ao meu ver você não deve se preocupar muito com essas atividades extra curriculares para ser aprovada na residência nos EUA. Claro que é interessante ter alguma coisa, mas eu percebo que os alunos de forma geral tem uma preocupação exagerada com isso, principalmente os mais novos. Pelo que você me falou, parece que já está envolvida em processo de pesquisa, o que é muito bom. Eles gostam de pesquisa e publicações. Isso conta ponto sim. Quanto ao trabalho voluntário não vai fazer tanta diferença, acredito que isso irá demonstrar a sua personalidade, para quando forem ver sua apresentação pessoal e conversar com você na entrevista. Você pode colocar no currículo, mas normalmente esse tipo de coisa é um pouco mais difícil de comprovar do que um estágio. Talvez você possa pedir uma declaração na instituição onde trabalhou como voluntária, não custa nada incluir isso no currículo.

Resumindo, faça suas atividades de monitoria e pesquisa normalmente, tenha alguma coisa para colocar no currículo mas não precisa se desesperar com isso. Destas, lembre que publicações e pesquisas são as mais valiosas. E que as suas cartas de recomendação e notas nos steps serão fatores ainda mais importantes na ordem (cartas, nota no step 1, depois step 2 CK).

Não sei como é essa disciplina da sua faculdade mas me pareceu muito interessante! Parece que você terá ótimas oportunidades de fazer estágio lá e conseguir as cartas. Quanto a procura, não tem regra. Tem que correr atrás. Entre nos sites dos hospitais que aceitam estagiários de fora e se inscreva, comece a mandar e-mails. Uma dica importante que posso te dar é: não desista no primeiro e-mail. Um interno que orientamos vai agora em dezembro fazer estágio nos EUA, depois de mandar o mesmo e-mail 4 vezes! Não foi respondido pelo chefe do serviço aí na semana seguinte enviou de novo o e-mail, depois insistiu mais até que responderam aceitando sua inscrição. Também acho que você deve perguntar e pedir para todos os professores que tiver contato, tem que falar com todo mundo.

Espero ter ajudado, e espero também que você divida sua experiência com a gente quando fizer sua eletiva! Um abraco,

Boa Sorte,

Vitor Torturella

Fazer cirurgia nos EUA?

Pergunta: (Wilson Botelho)

Caro Dr. Torturella, boa tarde.

sou médico no Brasil e acabei de ler seu artigo no site http://www.widoctor.com.br.

Estudei na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP), no interior do estado de São Paulo, e concluí minha graduação em 2005. Depois, fiz Residência em Cirurgia Geral (02 anos) e Cirurgia Cardíaca (04 anos), ambas com bolsa do MEC.

Atualmente, estou pensando em me mudar para os EUA e tentar novos caminhos. Durante esse mês de novembro, estou em Tampa/FL visitando um serviço de Cirurgia Cardio-Torácica daqui. (Florida Advanced Cardiothoracic Surgery – Tampa General Hospital).

Ler mais

Currículo e cartas de recomendação

Pergutna: Samuel (UNIRIO)

Fala Vitor,

depois de correr atrás de mais informações sobre a revalidação nos EUA, hoje esse processo está um pouco mais claro pra mim… pelo que eu entendi, o passo-a-passo pra um IMG é:

se credenciar no ECFMG, fazer os exames step 1, step 2 CK e step 2CS do USMLE e ser aprovado (com os melhores resultados possíveis para conseguir uma vaga na residência médica) e só depois da residência fazer o step 3.

Agora, as minhas dúvidas são quanto à seleção na residência…

Ler mais

Como exercer medicina nos EUA após a residência

Pergunta: (Marília) 

Boa noite Vitor,

sou estudante do quarto ano de Medicina da Universidade de Uberaba e encontrei seu contato quando procurei sobre residência médica nos EUA. Gostaria, se possível, de saber maiores informações sobre como iniciar a solicitação para inscrição para a realização das provas necessárias para que a medicina seja exercida nos EUA, após um curso de residência. Achei suas informações muito esclarecedoras no site Wireless Doctor, mas gostaria de saber mais detalhadamente sobre todo o procedimento necessário.

Ler mais

Universidade Federal conta para residência no exterior?

Pergunta: (Everaldo Giumbelli Jr- UFSC)

Olá dr. Vitor, queria lhe pedir sobre o seguinte, muitos falam sobre residências no exterior (especialmente nos EUA/Canadá), minha primeira dúvida é sobre se eu fazendo residência em uma boa federal no Brasil, ainda consigo minha vaga em um grande hospital? Outra dúvida pertinente seria sobre, ao sair da faculdade, como vou me preparar (inglês e tudo mais) para a residência no exterior?

 

Ler mais